Tenham vergonha! - Plataforma Media

Tenham vergonha!

Desculpem se ainda escrevo sobre a Festa do Avante, mas entendo que o devo fazer.

Apesar de na sua 1.ª edição ter sofrido um atentado à bomba, e de ter sido alvo de diversas provocações mediáticas em diversas edições, a Festa do Avante era quase ignorada pela comunicação social dominante. Tratada displicentemente como a habitual rentrée dos comunistas, a Festa nunca teve na comunicação social uma projeção compatível com a sua dimensão enquanto acontecimento político-cultural ímpar em Portugal.

Foi preciso chegar à sua 44.ª edição e ter sido realizada no contexto da atual pandemia, para que todos os demónios tivessem sido lançados pata tentar inviabilizar, dificultar ou estigmatizar a sua realização, por razões que, como se veio a demonstrar, nada tinham a ver com reais preocupações de saúde pública.

A campanha contra a Festa do Avante nunca se baseou em reais preocupações de saúde pública. Foi uma campanha anticomunista, disposta a recorrer aos meios mais sórdidos para atacar o PCP e que irá prosseguir, em futuras oportunidades

Claro que as preocupações eram legítimas e o PCP nunca as ignorou. E por isso mesmo, definiu à partida um conjunto muito significativo de alterações àquele que é o figurino habitual da Festa, quer em termos de programação, quer de lotação, quer de construção, adotando por decisão própria um conjunto de medidas de proteção sanitária. Para além disso, o PCP acatou sem hesitar exigências feitas pela DGS, mais rigorosas do que as que foram exigidas outros eventos, mas escrupulosamente cumpridas.

Apesar disso, assistimos a uma campanha mediática contra o PCP, a pretexto da realização da Festa, em que valeu tudo. Todos os canais televisivos de sinal aberto fizeram um verdadeiro campeonato de manipulação e infâmia contra a Festa do Avante: Legiões de comentadores sem qualquer contraditório a arrasar a Festa e o PCP; repetição de mentiras como a que os festivais estavam proibidos; aberturas de telejornais; debates de opinião pública em dias sucessivos; entrevistas a quase forçar epidemiologistas a condenar a Festa sem que isso viesse minimamente a propósito; palco garantido a todo o tipo de provocações políticas, desde os dislates de Rui Rio e Francisco dos Santos, até a disparatadas ações judiciais, passando pelo discurso de ódio, de ameaças, de apelo à violência nas redes sociais, de campanhas de obscurantismo utilizando uns poucos comerciantes da zona, pseudomanifestações, etc, etc. A SIC chegou ao ridículo de exibir uma capa falsa do New York Times no Jornal da Noite, tornando o que já era uma vergonha nacional numa vergonha internacional.

Afinal a Festa fez-se e foi um exemplo de que é possível realizar iniciativas políticas, culturais e de massas em segurança sanitária desde que sejam adotadas e cumpridas as medidas necessárias. O grande sucesso que foi a realização da Festa do Avante deveria levar os detratores a assumir que estavam errados e a pedir desculpa ao PCP.

É óbvio que isso não iria acontecer. A campanha contra a Festa do Avante nunca se baseou em reais preocupações de saúde pública. Foi uma campanha anticomunista, disposta a recorrer aos meios mais sórdidos para atacar o PCP e que irá prosseguir, em futuras oportunidades, a propósito de qualquer outro assunto, real ou inventado. Dizer aos mentores e executores da campanha contra a Festa do Avante que tenham vergonha é pedir demais. Não tiveram, não têm e nunca terão.   

*Deputado do Partido Comunista Português (PCP) – Portugal

Artigos relacionados
Eleitos

OE 2021 - Responder aos problemas do país

Eleitos

Valorização dos salários é emergência nacional

Eleitos

A resposta necessária

PolíticaPortugal

Saramago e valores de Abril. João Ferreira apela à "mudança" na corrida a Belém

Assine nossa Newsletter