Início Opinião A importância de intercâmbios interpessoais sino-americanos

A importância de intercâmbios interpessoais sino-americanos

Tom Watkins, antigo superintendente do distrito escolar do Michigan*

O mundo precisa de muito mais compreensão do que a que existe atualmente. A China e os Estados Unidos, na qualidade de duas grandes potências mundiais, devem assumir a liderança no restabelecimento dos intercâmbios interpessoais, culturais, educativos, governamentais e sem fins lucrativos, a fim de promover relações sólidas e, simultaneamente, construir um futuro coletivo melhor.

Os resultados do diálogo que os líderes dos dois países mantêm devem ter um efeito de arrasto, ajudando outros países a sentirem-se confiantes num futuro positivo e próspero para todos.

Os intercâmbios interpessoais são parte integrante da política externa do Presidente Xi Jinping. E gostaria que houvesse um defensor igualmente grande dos intercâmbios interpessoais também nos EUA.

Há quem defenda o “desacoplamento”, a desvinculação ou a “desarticulação” dos EUA em relação à China, mas talvez um risco maior seja permitir que a pressão política interna afaste os dois países. A cooperação económica e comercial entre a China e os EUA tem trazido benefícios para os povos da China e dos EUA desde há meio século. Embora tenhamos de continuar a trabalhar no sentido de construir laços económicos sensatos, é vital que a China e os EUA continuem a seguir os “Sete Cs” – comunicação, colaboração, cooperação, coordenação e concorrência, evitando confrontos e conflitos desnecessários. Isto permitiria ao mundo dormir bem e prosperar.

Precisamos também de reforçar as nossas colaborações e intercâmbios interpessoais a nível educativo, cultural e subnacional, que diminuíram nos últimos anos. Estas ligações são a base da compreensão e do respeito mútuo, que, por sua vez, alimentam a relação bilateral mais importante do mundo atual.

Grande parte da atual narrativa política despreza uma relação EUA-China em ambos os lados do Pacífico. Atualmente, cerca de dois terços dos americanos têm uma visão negativa da China e alguns políticos gostariam de aumentar esse número.

Nos últimos anos, registaram-se alguns progressos encorajadores na facilitação das viagens e dos intercâmbios entre pessoas. A China retomou as viagens de grupo aos EUA e as duas partes concordaram em aumentar os voos de passageiros. No entanto, os intercâmbios de estudantes continuam a ser significativamente inferiores aos máximos registados antes da pandemia. O número de estudantes americanos na China é assustadoramente baixo. No futuro, temos de continuar a tomar medidas concretas, por mais insignificantes que sejam, para reconstruir estes intercâmbios vitais.

À medida que o século XXI se desenrola, tanto os EUA como a China devem ser os faróis para a construção de pontes e não de “Grandes Muralhas”. Tal como a Associação China-US Heartland proclama na sua missão, “nem todas as pontes são construídas de betão e aço. As pontes igualmente importantes são construídas com base na amizade, na cultura, na comunicação, na cooperação e, onde estas pontes existem, as comunidades florescem”. Esta abordagem cimentaria a relação interpessoal entre estas duas grandes nações, na esperança de moldar um século XXI que beneficie toda a humanidade.

Num mundo repleto de tensões e incertezas, é necessário um esforço concertado para resolver os problemas e as ameaças existenciais com que se defrontam os dois países, e não apenas toda a humanidade. É imperativo que encontremos formas de desenvolver uma visão partilhada e uma agenda comum em áreas que são do nosso interesse nacional coletivo, ao mesmo tempo que mantemos um diálogo aberto sobre tópicos em que discordamos.

Apelo aos filantropos, e não apenas aos governos dos dois países, para que unam esforços no sentido de criar e financiar um intercâmbio internacional sólido, uma organização interpessoal que ligue estudantes (desde o ensino básico até aos que aprendem ao longo da vida), artistas, escritores, atletas, turistas, educadores, profissionais de saúde e de saúde comportamental, poetas, funcionários governamentais subnacionais e ONG entre os nossos dois países para ouvir, compreender e construir pontes que ajudem a manter a paz e a prosperidade para todos.

Proponho que se lhe chame “Ponte de Intercâmbio Deng-Carter para a Paz e a Prosperidade Internacionais”, pela visão que os nossos respetivos líderes tiveram. O antigo presidente dos EUA, Jimmy Carter, e o falecido líder chinês, Deng Xiaoping, olharam para além das muitas diferenças dos nossos países, encontraram pontos em comum e viram o valor da ligação entre os nossos povos. Hoje em dia, precisamos de reforçar esta visão. Eles acreditavam que a aproximação e a interação tornaria o mundo mais seguro e beneficiaria tanto os EUA como a China. Eram tão visionários como sábios. Precisamos deste pensamento esclarecido mais do que nunca.

As ligações globais formadas através destes intercâmbios e interações pessoais são vitais para promover a compreensão e a unidade. Lançam as bases para diálogos significativos, sinergias ponderadas, respeito mútuo, prosperidade conjunta e colaborações pacíficas. É inspirador ver o impacto positivo que estes intercâmbios podem ter e têm tido, moldando um futuro melhor para as nossas nações e para o mundo.

No futuro, todas as grandes questões mundiais se cruzarão na esquina de Pequim e Washington. A construção de um entendimento e respeito mútuos garantirá que possamos celebrar o centenário desta relação vital no futuro. A alternativa é impensável.

Os nossos filhos, netos e toda a humanidade agradecer-nos-ão os nossos esforços.

*Artigo de opinião originalmente publicado no China Daily

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!