Início Macau Macau e Brasil debaixo da “almofada chinesa” Portugal e PALOP “na expetativa”

Macau e Brasil debaixo da “almofada chinesa” Portugal e PALOP “na expetativa”

Portugal e os PALOP permanecem na expetativa dos desfechos na Ucrânia e em Gaza. Têm, portanto, planos económicos “em standby” e “esperam pelos próximos capítulos”. Macau e Brasil são os menos afetados e “podem olhar para 2024 com bons olhos”, vaticina Carlos Calado. O analista financeiro explica: “O principal alicerce financeiro dos dois é uma das principais economias mundiais, a chinesa”

Gonçalo Francisco

2023 iniciou com uma guerra que levou a uma grave crise económica, nomeadamente o conflito entre a Rússia e Ucrânia. Agora, 2024 inicia não com uma, mas com duas guerras. A primeira ainda se mantém, a que se junta agora aquela entre Israel e o Hamas, em Gaza. Os dados económicos pareciam entrar num outro patamar, mais positivo, mas os especialistas dizem que teremos de esperar pelos primeiros meses do novo ano. Macau e Brasil estarão mais resguardados de um eventual agravamento económico, dada a “almofada chinesa”, mas Portugal e os PALOP terão mesmo de “esperar pelos próximos capítulos”.

Estamos já em 2024 e o final do ano passado fechou com boas notícias para o continente europeu, nomeadamente o facto das taxas de juro poderem vir a reduzir nos primeiros meses deste novo ano. Essa é pelo menos a ideia dos principais analistas financeiros, mas há quem seja mais prudente.

“Tanto a Ucrânia, como Israel são dois países com quem Portugal conta a nível económico e estarem em guerra, em dificuldades, travam os negócios e o crescimento económico”

“É difícil estar a especular sobre esse assunto. Neste momento, a inflação começou a descer alguns pontos, fruto das política económicas europeias. Isso é bom sinal para as sociedades, mas há que levar em conta que estamos perante duas guerras, são dois cenários que não podemos prever que vão terminar esta semana ou daqui a um ano, é algo inconclusivo, logo não podemos traçar grandes cenários, nomeadamente na Europa”, começou por dizer ao PLATAFORMA o analista financeiro Carlos Calado, destacando que dentro do universo da Lusofonia, Portugal é aquele que tem mais a perder.

“Qualquer país da Europa está, neste momento, na expetativa do que acontecerá na Ucrânia e na Palestina. Os dados económicos avançados nas últimas semanas, mais positivos, espelhavam os dois cenários de guerra. Infelizmente não espelham se esses cenários vão agravar-se ou não, por isso Portugal tem o plano económico também em ‘standby’. Volto a dizer, os dados são animadores, mas de um momento para o outro tudo pode mudar, são duas guerras e não apenas um país ou dois, dos colossos, em dificuldades económicas. Estas duas guerras podem fazer com que a inflação volte a subir. 2024 é visto como o ano de uma remontada económica, mas é preciso ir com cuidado. Também por isso o Banco Central Europeu (BCE) decidiu não baixar ainda as taxas de juro, mantendo-as na última reunião. Portugal tem mesmo de esperar, com um sorriso pequeno, é certo, mas tem de esperar, tal como os portugueses”, disse.

“Os PALOP não estão reféns dessas duas guerras, longe disso, mas estão reféns de outros países com fortes ligações a Ucrânia e Israel”

Refira-se que os últimos dados do Eurostat apontam que Portugal é um dos países da União Europeia com o crescimento económico mais forte. Os dados gerais apontam para variação homóloga média de 0,1 por cento, mas Portugal chega aos 1,9 por cento.

Os dados apontam que Portugal possa ter fechado o ano de 2023 com um crescimento do PIB à volta de 2 por cento. E estes dados são vincados pelo analista: “São dados animadores, claro. Portugal fez bem o trabalho de casa e o cenário é otimista, ser um dos países da Europa cujo percurso económico foi dos melhores é uma excelente notícia, o país não parou nem estagnou, cresceu perante tantas adversidades económicas, impulsionadas pelas guerras, mas é preciso ir com cautela. Tanto a Ucrânia, como Israel são dois países com quem Portugal conta a nível económico e estarem em guerra, em dificuldades, travam os negócios e o crescimento económico. Mas fechar o ano perto ou mesmo nos 2 por cento é fantástico, perante o atual cenário económico europeu”, salienta.

Macau e Brasil

Mais otimista está o especialista quanto ao que poderá acontecer em 2024 a Macau e Brasil, tudo devido à China.

“Macau e Brasil são muito ligados à China e às suas políticas económicas. Têm a almofada económica
chinesa que os ampara, mas precisam de ter cuidado também”

“São muito ligados à China e às suas políticas económicas. Têm a almofada económica chinesa que os ampara, mas precisam de ter cuidado também, pois o recente cenário traçado para 2024 não foi nada animador. Contudo, Xi Jinping já mostrou ser um líder contundente neste tipo de situações. Se as coisas ficarem piores, as suas decisões económicas recentes provam que a China consegue dar a voltar por cima, de uma forma célere. Assim, tanto Macau como o Brasil podem olhar para 2024 com bons olhos, estão dentro de um cenário muito diferente de Portugal e dos países europeus. O principal alicerce financeiro dos dois é uma das principais economias mundiais, a chinesa”, confessa.

PALOP

Quanto aos PALOP, os vaticínios de Carlos Calado apontam um pouco para o que está a acontecer na Europa, a tal expetativa.

“Terão de esperar também pelos próximos capítulos. Os PALOP não estão reféns dessas duas guerras, longe disso, mas estão reféns de outros países com fortes ligações a Ucrânia e Israel. Se outros países atravessarem períodos negativos a nível financeiro, é óbvio que isso acabará por afetar Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, etc. Angola, por exemplo, tem algumas ligações fortes à Rússia e isso pode afetar o país, tal como Moçambique negoceia muito com o Egito, que pode vir a ser afetado pela guerra na Palestina”, diz, salientando, contudo, que há espaço para crescer em África.

“Têm de olhar agora de uma nova forma para a Europa. Se a Europa está a ser afetada pelas duas guerras, dadas as relações económicas com os países em causa, os países africanos deveriam apostar no velho continente, encontrar formas de fazer ver os europeus que em África poderá estar a solução imediata para questões económicas. Não esperar pela resolução das guerras, mas fazer com que a guerra impulsione a procura europeia por África”, conclui.

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!