Encontro entre Suga e Biden - Plataforma Media

Encontro entre Suga e Biden

O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, inicia hoje uma visita aos Estados Unidos, marcando o primeiro encontro de Joe Biden com um líder internacional desde a posse.

Sendo Suga a primeira grande figura política internacional que Biden recebe na Casa Branca, esta ocasião é fundamental para o desenvolvimento dos laços entre os EUA e o Japão. Sendo assim, Suga encontrou-se com Shinzo Abe para que este partilhasse a respetiva experiência enquanto antigo chefe do Governo nipónico.

Após a reunião, Abe afirmou que Japão já ocupa a linha da frente no confronto entre os EUA e a China, e mesmo que o país nem sempre assuma uma posição equilibrada, todos devem estar preparados para a escolha clara que acabará por fazer. Posteriormente, Suga partilhou um comunicado onde explicava que a China, como grande potência, tem de assumir a responsabilidade pelo impacto ambiental que causa, acrescentando mais tarde que o país irá trabalhar com os EUA para ajudar a apaziguar a relação da China com Taiwan.

Suga afirmou que o Japão vai usar a “força de dissuasão”, juntamente com os EUA, para criar um ambiente onde os conflitos com Taiwan possam ser resolvidos de forma pacífica.

Este discurso marca também a primeira vez que um primeiro-ministro japonês intervém publicamente na questão de Taiwan. Ao longo deste ano a atitude japonesa em relação a Taiwan tem vindo a mudar. Inicialmente, o país afirmou que não se iria envolver nesse conflito, mesmo no caso de algum confronto entre a China e os EUA na região, fornecendo apenas assistência logística.

Todavia, mais tarde afirmou não excluir a possibilidade de utilizar as Forças de Autodefesa para intervir na região e “proteger expatriados”. Quando a China reagiu a essa afirmação, Tóquio acabou por voltar a aliviar aquela posição, não só rejeitando a proposta de sanções à China pelo G7, como oferecendo-se para explicar e defender o lado chinês. Agora, Suga está mais uma vez a assumir uma atitude severa em relação a este tema.

A nova posição de Suga coincide, curiosamente, com a visita a Biden em Washington, com o Governo japonês a partilhar já a posição do país e dos EUA sobre a questão de Taiwan, não sendo a responsabilidade ambiental da China suficiente para negociar com Biden.

Antes de Suga partir para os EUA, o Secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, afirmou que seria um “erro grave tentar mudar o status-quo (de Taiwan) através da força”, e por isso o país está agora a tentar incentivar várias democracias ocidentais a impor sanções à China pelo alegado “trabalho forçado” em Xinjiang e está disposto a oferecer misseis de médio alcance ao Japão. Mas será que Suga irá aceitar?

*Editor Senior

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
Opinião

A sociedade americana dividida pela supremacia branca

Opinião

Caso George Floyd tem veredito, mas os conflitos sociais continuam

Opinião

Os oceanos devem ser protegidos

Opinião

De onde vem todo este dinheiro?

Assine nossa Newsletter