Início » “Vejo Hengqin a atingir o mesmo nível de desenvolvimento de cidades de Guangzhou e Shenzhen dentro de 40 a 50 anos”

“Vejo Hengqin a atingir o mesmo nível de desenvolvimento de cidades de Guangzhou e Shenzhen dentro de 40 a 50 anos”

O plano para a diversificação económica de Macau já apresenta muitas das soluções que permitem o desenvolvimento das novas indústrias, diz Emil Marques, professor da Faculdade de Gestão e Direito na Universidade de São José, em entrevista ao PLATAFORMA. Ao mesmo tempo, a transformação de Hengqin numa zona alfandegária independente deve servir também como catalisador para o desenvolvimento de empresas nas indústrias “alvo”

Plataforma - Macau

– Olhando para o estado atual do desenvolvimento económico da RAEM, que expectativas tem para a economia local em 2024?

Emil Marques – De acordo com o Plano de Desenvolvimento de Diversificação Adequada da Economia Região Administrativa Especial de Macau (2024-2028), divulgado a 1 de novembro de 2023, o Governo tem como objetivo tornar-se a mão orientadora para a estratégia de diversificação da economia de Macau. No documento, foram estabelecidas metas específicas para continuar a estratégia de desenvolvimento moderadamente diversificada “1+4”, onde o “1” significa promover o desenvolvimento diversificado do turismo e lazer para, a longo prazo, se tornar num centro internacional de turismo e lazer, e melhorar, refinar e fortalecer a indústria abrangente de turismo e lazer; o “4” significa usar o sucesso alcançado no turismo para desenvolver as quatro indústrias-chave, incluindo a saúde, finanças modernas, alta tecnologia, exposições, comércio, cultura e desportos. O documento também lista alguns indicadores-chave de desempenho para o ano de 2028, quando os objetivos estabelecidos devem ser alcançados.

Este é o primeiro documento emitido pelo Governo que delineia alguns dos indicadores vitais para a diversificação económica (…). Além disso, é um documento baseado em eventos e atividades muito bem definidas, que oferece um melhor guia para as PME e outras instituições entenderem como os respetivos intervenientes na sociedade podem participar para ajudar a alcançar esta visão.

Por exemplo, inclui uma seção para o desenvolvimento do turismo rotulada como desenvolvimento “Turismo +”; esboça as sete áreas principais que complementam o desenvolvimento do turismo em Macau, em linha com o conceito de “Centro Mundial de Turismo de Lazer”, sendo estas as atividades culturais, eventos desportivos, MICE, comércio eletrónico, educação, saúde, gastronomia e tecnologia. Esta seção não só especifica qual é a visão do Governo sobre como o turismo se deve desenvolver, mas também estabelece limites bem definidos sobre que tipo de entidades e atividades estão na estratégia do Governo.

Para mim, isto é uma clara indicação da intenção do Governo de convidar os intervenientes da sociedade e encorajar parcerias criativas com as entidades e instituições relevantes da RAEM.

Do ponto de vista da integração económica, este mecanismo de liberdade de movimento de mão de obra, tanto de Macau como de Zhuhai, significa que as empresas de Macau localizadas em Hengqin poderão usufruir de mão de obra altamente qualificada para a diversificação

– Este plano apresenta soluções para os principais problemas de diversificação de Macau?

E.M. – Devemos lembrar que a implementação de políticas e o desenvolvimento económico são o “forte” da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da República Popular da China. Isto significa que as políticas estabelecidas pela Comissão serão implementadas. Tudo o que é preciso fazer é ver a implementação dos objetivos do antigo Plano Quinquenal, o desenvolvimento de Shenzhen e Guangzhou nos últimos 40 anos. A transformação da RAEM num Centro Mundial de Turismo e Lazer nos últimos 25 anos. Quando olhamos para estes exemplos, podemos ver claramente que Hengqin só existiu após muita recuperação de terras, em 1992, e só foi designado como uma área de desenvolvimento de alta tecnologia no 11º Plano Quinquenal, em 2009. Portanto, num período de 15 anos, já vimos uma notável transformação da paisagem na Zona de Cooperação. Como tal, vejo Hengqin a atingir o mesmo nível de desenvolvimento de cidades de Guangzhou e Shenzhen, que demoraram muitos anos a se desenvolver, entre 40 a 50 anos. À medida que Hengqin entra no seu período de alto crescimento, após o reajustamento das fronteiras, a 1 de março de 2024, acredito que veremos mudanças e resultados exponenciais, uma vez que os últimos anos foram dedicados a questões fundamentais como a alocação de poder administrativo e jurisdicional de diferentes níveis dos governos. Acredito que, com Guangdong e Macau a serem claros sobre quais são as suas visões, e se estiverem alinhados no seu desenvolvimento, existirão grandes oportunidades para empresas dispostas a dar os próximos passos em Hengqin.

– Quais são as principais questões que a maior parte das empresas de Macau gostaria de ver resolvidas ou clarificadas pelas autoridades?

E.M. – Este plano, claro, levanta algumas questões para a indústria, nomeadamente quais são os canais ou plataformas oficiais para abordar o Governo se se estiver interessado em desenvolver estas novas áreas prioritárias. Também se este plano está limitado às associações turísticas locais relevantes ou se deveria haver um grupo de trabalho para a diversificação económica. Além disso, as áreas de colaboração e desenvolvimento vão desde a tecnologia até à cultura, gastronomia e educação. Estas são áreas interdisciplinares que requerem contribuições de múltiplas áreas jurisdicionais do Governo. Outra questão é se existe um grupo de trabalho para ajudar nesta área altamente antecipada de crescimento visionada pelo Governo. Acredito firmemente que as autoridades estão empenhadas em alcançar todos os seus objetivos, e também que é hora de analisar parcerias público-privadas para alcançar estes resultados políticos.

– Vê Hengqin como solução para o desenvolvimento e diversificação económica da RAEM?

E.M. – O recente reajustamento das fronteiras viu a implementação de um dos arranjos mais criativos para a diversificação económica da sociedade da RAEM. Do ponto de vista da integração económica, este mecanismo de liberdade de movimento de mão de obra, tanto de Macau como de Zhuhai, significa que as empresas de Macau localizadas em Hengqin poderão usufruir de mão de obra altamente qualificada para a diversificação, o que não era possível devido às políticas mais restritivas para estrangeiros trabalharem na RAEM.

Além disso, significa que a quantidade e qualidade já não serão um problema para as empresas que precisem de contratar pessoal do Continente. Basta terem um escritório Hengqin para poderem beneficiar de melhores condições. É uma situação vantajosa para os licenciados da China e para as empresas de Macau. No entanto, temos de lembrar por que foi implementada a política em primeiro lugar: fornecer um espaço para servir a diversificação económica de Macau. Isso segue logicamente o plano delineado pela RAEM, de estender a política “1 + 4” para Hengqin, e significa que as quatro indústrias têm que existir em primeiro lugar para que a extensão aconteça. É aqui que acredito que estão os desafios em Hengqin e também é onde estará a oportunidade. Uma vez que as indústrias incluídas na política “1 + 4” ainda não foram desenvolvidas ou estão apenas na sua fase inicial, faz sentido co-criar essas indústrias com o apoio a recursos que não estão disponíveis em Macau.

Este plano [diversificação económica de Macau], claro, levanta algumas questões para a indústria, nomeadamente quais são os canais ou plataformas oficiais para abordar o Governo [em Hengqin]

– A falta de recursos humanos qualificados é muitas vezes apontado como um entrave a esta diversificação e desenvolvimento económico…

E.M. – Isso começaria com a capacitação humana, com grandes quantidades de conhecimento especializado e indivíduos altamente qualificados que poderiam ser convidados nas áreas mencionadas e combinados com empresas locais, centros de pesquisa, escolas e agências governamentais para construir a capacidade humana dentro de Hengqin, especificamente direcionada para o desenvolvimento das “4” indústrias. Isso, por sua vez, trará o capital humano muito necessário para a construção das novas indústrias. Cria também um espaço de formação para os jovens atuais e futuros, tanto de Macau como do Continente, que serão o núcleo do desenvolvimento, uma vez que as indústrias mencionadas requerem indivíduos altamente qualificados. Esta migração maciça de qualificações para a Zona de Cooperação resultará numa nova indústria, que é o desenvolvimento de um hub de educação único, altamente focado nas quatro áreas identificadas pelo Governo. Com a amalgamação de conhecimento das duas RAE, talento de fora e do Continente, as instituições de aprendizagem serão o solo fértil no qual novas indústrias florescerão.

Contact Us

Generalist media, focusing on the relationship between Portuguese-speaking countries and China.

Newsletter

Subscribe Plataforma Newsletter to keep up with everything!