Início China Prestador de serviços chinês pirateou governos e NATO

Prestador de serviços chinês pirateou governos e NATO

Analistas de duas empresas de cibersegurança disseram que a I-Soon, prestadora de serviços informáticos chinesa, infiltrou-se nos sistemas de mais de uma dúzia de governos, de organizações pró-democracia em Hong Kong e da NATO.

A SentinelLabs e a Malwarebytes chegaram a esta conclusão após estudarem uma fuga de dados da I-Soon. A informação da empresa foi carregada no site de partilha GitHub a 16 de fevereiro.

Segundo os analistas, citados pela agência de notícias France-Presse (AFP), os dados da empresa chinesa contêm ficheiros de conversação, apresentações e listas de alvos. No entanto, não foi possível à AFP verificar de imediato o conteúdo.

“A fuga de informação fornece alguns dos pormenores mais concretos tornados públicos até à data” sobre a alegada espionagem chinesa e revela a sua maturidade, escreveu o SentinelLabs num relatório publicado na quarta-feira.

O autor da pirataria informática e os motivos ainda não são conhecidos, mas a fuga de informação “fornece uma visão sem precedentes das operações internas de um fornecedor de serviços de pirataria informática afiliado ao Estado”, ainda de acordo com a SentinelLabs.

A I-Soon foi capaz de se infiltrar em instituições governamentais na Índia, Tailândia, Vietname e Coreia do Sul, de acordo com outro relatório publicado na quarta-feira pela Malwarebytes.

As empresas também explicam como os ‘hackers’ da I-Soon acedem ao computador de uma pessoa e controlam-no remotamente, conseguindo executar comandos e monitorizar o que é escrito.

De acordo com os documentos divulgados, a I-Soon era uma entidade contratada pelo Governo chinês na região de Xinjiang, noroeste da China, onde as autoridades têm vindo a impor medidas repressivas em nome do antiterrorismo, de acordo com a AFP.

Estudos em países ocidentais, baseados em interpretações de documentos oficiais chineses, testemunhos de alegadas vítimas e extrapolações estatísticas, acusam Pequim de repressão contra os uigures, minoria étnica muçulmana chinesa, refere a agência de notícias.

A China ainda não reagiu às alegações de espionagem. No entanto, é comum condenar este tipo de acusações, afirmando ser vítima de numerosos ciberataques por parte dos Estados Unidos.

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!