Afro-americanos marginalizados - Plataforma Media

Afro-americanos marginalizados

Desde que George Floyd, afro-americano, foi assassinado por um agente da polícia, protestos contra a violência policial têm-se espalhado pelos Estados Unidos, tendo também suscitado manifestações contra o racismo na Europa. 54 países africanos juntaram-se para apresentar uma queixa formal ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas onde condenam as violações de direitos humanos pelos EUA, propondo que este problema seja oficialmente investigado. O Conselho, após debater o assunto em Assembleia Geral, aprovou a decisão de iniciar essa investigação. 

Embora este incidente tenha de certa forma afetado a imagem positiva que os Estados Unidos possuíam como defensores dos direitos humanos, dificilmente afetará diretamente o país. Tendo abandonado o Conselho de Direitos Humanos da ONU em 2018, nenhuma futura decisão nesta matéria terá efetivamente impacto sobre os EUA. São os cinco membros permanentes das Nações Unidas que oferecem poder ao Conselho, por isso a saída dos EUA representa a rejeição desta autoridade. A principal razão que levou aos atuais protestos contra a discriminação racial no país não são os direitos humanos na América, ou estes problemas de discriminação racial só começaram agora? Ao longo da história encontramos provas de violações de direitos humanos, contra afro-americanos ou outras minorias, desde a criação dos EUA há 244 anos segundo a doutrina de “supremacia branca”.

Embora as minorias, representadas por afro-americanos, tenham ao longo dos anos criado várias campanhas contra a discriminação, procurando igualdade de direitos, tanto a nível económico como político e social estas minorias são constantemente marginalizadas. Grande parte dos afro-americanos culpam o racismo intrínseco da sociedade por esta discriminação. Apenas querem mais direitos para a comunidade, assim como eliminar todos os preconceitos enraizados na mentalidade da população branca. Só assim o Homem negro poderá estar em pé de igualdade com o Homem branco, como igual detentor desta nação. Será possível? 

*Editor Senior

Este artigo está disponível em: English 繁體中文

Artigos relacionados
Opinião

O discurso de Kissinger

Opinião

Dar ouvidos aos mais velhos

Opinião

Rodrigo Duterte e o Mar do Sul da China

Opinião

A Lua que ilumina a Terra Sagrada

Assine nossa Newsletter