Conclusão - Plataforma Media

Conclusão

Guilherme Rego

A necessidade de adaptação a uma nova realidade que, embora influenciada pela pandemia, já lhe antecedia, promete um novo ano tão ou mais singular que este. O futuro é promissor, como perspetivou o Chefe do Executivo, mas a única certeza contradiz esta palavra, pois a pandemia continua, e o seu impacto no futuro é incerto.  

Não obstante, a cidade não foi feita refém. No nevoeiro pandémico, continuou a lançar fichas, na esperança de que o retorno não seja abalado por uma política que não permite margem de erro – zero casos, certo? Vislumbra-se o longínquo, numa visão hipermetrópica. Porque o futuro constrói-se no presente, e este suscita dúvidas. Apesar da “almofada”, muitos não dormem e fazem-se ouvir. A reserva fiscal garante segurança, mas a quem? 

Leia também: Silêncio ensurdecedor

E enquanto se mostrou coragem em apostar na integração regional, faltou discernimento nas tomadas de decisão ‘in loco’. Porque toda a ação é acompanhada de uma reação, e questiona-se os ‘timings’ de algumas. E pelo silêncio, outras virão para o ano, embora muitos peçam para as adiar, na convicção de que a estabilidade é fulcral para desenhar o futuro.  

Aconteça o que acontecer, é importante que haja sinais de reabertura, porque se houve grandes passos dados nos caminhos da integração de Macau no plano nacional; do reforço do seu papel de ponte com os Países de Língua Portuguesa; da reforma da indústria turística; da diversificação económica e, consequentemente, de um gradual afastamento da dependência da indústria do jogo, bem como da imagem de que a cidade só possui essa valência; faltou a cereja no topo do bolo.  

Leia também: Motores aceleram a recuperação económica e integração regional

Acelera-se o erguer de uma nova ideia de Macau, mas não se deve esquecer que há um processo de maturação que não acompanha a velocidade do pensamento. A cidade ainda vive do jogo, e o jogo vive de visitantes, bem como grande parte da população local.  

*Diretor-Executivo do PLATAFORMA

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
Editorial

Margem mínima

Editorial

Governo de fichas

Editorial

Necessidade Dupla

Editorial

Ação-Reação

Assine nossa Newsletter