Biden acusa China de virar as costas à luta climática na COP26

Biden acusa China de virar as costas à luta climática na COP26

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, acusou ontem a China de virar as costas ao “gigantesco” problema das mudanças climáticas na COP26, marcada por uma grande promessa global de produzir menos metano que não inclui o maior emissor mundial

Biden diz que a China virou as costas à luta climática. No terceiro dia da conferência do clima da ONU, os líderes de uma centena de países, convidados a participar com a esperança de que sua presença impulsione o diálogo, decidiram reduzir em 30% suas emissões de metano no final desta década.

Mas isso não inclui China, Rússia e Índia, três dos cinco maiores emissores do planeta. E os presidentes dos dois primeiros países, Xi Jinping e Vladimir Putin, que antes haviam evitado a cúpula do G20 em Roma, nem mesmo viajaram para a cidade escocesa de Glasgow.

“Acho que foi um grande erro, francamente, que a China não apareceu”, disse Biden em coletiva de imprensa, acusando-o de “virar as costas” ao “gigantesco” problema que o planeta enfrenta.

Iniciativa sobre o metano

O metano tem um efeito estufa 80 vezes mais potente do que o CO2. Suas fontes, como as minas de carvão a céu aberto e o gado, receberam relativamente pouca atenção até agora. 

“É um dos gases que podemos reduzir mais rapidamente”, sublinhou a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, lembrando que é responsável por “cerca de 30%” do aquecimento global acumulado desde a revolução industrial.

O compromisso foi assinado por 100 países, liderados por Estados Unidos e os da União Europeia. Apesar da inclusão de grandes produtores de carne como Brasil e Argentina, representam pouco mais de 40% das emissões mundiais de metano.

“O anúncio de hoje não alcança a redução de 45% que, segundo a ONU, é necessária para manter o aquecimento global abaixo de 1,5 ºC”, lamentou Murray Worthy, responsável pela ONG Global Witness.

A Argentina juntou-se à promessa, enfatizando “o princípio de responsabilidades comuns, mas diferenciadas” entre países desenvolvidos – responsáveis pela imensa maioria das emissões do último século – e países em desenvolvimento.

“A contribuição da nossa agrobioindústria para a segurança alimentar mundial não deve ser excluída das negociações climáticas para não gerar novas formas de protecionismo”, defendeu o presidente argentino, Alberto Fernández.

Ele pediu que o pagamento de parte de sua enorme dívida externa seja vinculado “aos investimentos imprescindíveis em infraestrutura verde que a Argentina precisa”.

Negociações complicadas

Cancelada no ano passado por causa da pandemia, a COP26 tem como missão desenvolver o Acordo de Paris de 2015, que tem como principal objetivo limitar o aquecimento global a +1,5 ºC. No entanto, as negociações são anunciadas complicadas. 

“Ainda resta um longo caminho a percorrer”, alertou o primeiro-ministro britânico e anfitrião da conferência, Boris Johnson, declarando-se “prudentemente otimista” quando os líderes começam a deixar Glasgow e passam o bastão para os negociadores.

Buscando dar impulso, os chefes de Estado e de governo não só prometeram emitir menos gases, mas também absorver mais, freando e revertendo o desmatamento e a degradação do solo em 2030.

O primeiro consistiu na promessa de deter e reverter o desmatamento e a degradação do solo em 2030.

“Nossas florestas são a forma que a natureza captura carbono, retirando CO2 de nossa atmosfera”, declarou Biden.

“Temos que enfrentar essa questão (do desmatamento) com a mesma seriedade da descarbonização de nossas economias”, acrescentou.

Segundo a ONG Global Forest Watch, somente em 2020 a destruição de florestas primárias aumentou 12% em relação ao ano anterior – apesar da desaceleração econômica devido à pandemia – e o Brasil, berço da maior floresta tropical do planeta, teve 9,5% de aumento nas emissões de gases de efeito estufa. 

Os mais de 100 países que assinaram a iniciativa representam 85% das florestas do mundo.

As medidas incluem apoiar atividades em países em desenvolvimento, como a restauração de terras degradadas, o combate a incêndios florestais e a defesa dos direitos das comunidades indígenas.

E serão apoiadas por um fundo de US$ 12 bilhões de dinheiro público financiado por 12 países entre 2021 e 2025, além de US$ 7,2 bilhões de investimento privado de mais de 30 instituições financeiras globais.

“É muito importante ser neutro em carbono, mas também é muito importante ser positivo com a natureza”, disse o presidente da Colômbia, Iván Duque, durante o evento, cujo país é 52% ocupado por floresta tropical e 35% por terras amazônicas e que prometeu declarar 30% de seu território como área protegida em 2022.

Duque antecipou a promessa em oito anos com relação ao previsto, “porque temos que agir agora”, afirmou.

Grupos ambientalistas denunciaram o fim do desmatamento em 2030 como tarde demais e o Greenpeace chamou de “luz verde para mais uma década de destruição florestal”.

Related posts
MundoSociedade

274 milhões de pessoas no mundo vão precisar de ajuda humanitária

MundoSociedade

EUA é maior poluidor com plásticos do mundo

MundoPolítica

Guterres critica comunidade internacional pelo tratamento a África

BrasilPolítica

MP do Brasil quer retirada de extratores de ouro na Amazónia

Assine nossa Newsletter