Mecanismos de combate a submarinos - Plataforma Media

Mecanismos de combate a submarinos

O comunicado da colisão do submarino nuclear americano no mar do Sul da China foi adiado cinco dias. A omissão de várias informações do incidente, como o objeto com qual o submarino colidiu, a eventualidade de um derrame nuclear, ou a sua localização, levou imediatamente à especulação por parte dos media. Apesar dos EUA acusarem outras nações de falta de transparência, desta vez foram os próprios a dar o exemplo perfeito de ocultação de informação. As forças militares americanas apenas mencionam que o acidente teve lugar no mar do Sul da China, porém, um satélite comercial detetou este submarino perto das Ilhas Paracel.

O submarino de ataque nuclear mais desenvolvido dos EUA, classe Seawolf, estava no mar do Sul da China, e o seu objetivo era claro, preparar-se para um eventual conflito com a China. O USS Connecticut é um submarino nuclear ofensivo que, na eventualidade de um confronto marítimo entre os EUA e a China, conseguirá atacar alvos chineses à superfície do mar, incluindo forças militares, mas também aquilo que consideram ser grandes alvos comerciais, como navios petroleiros. Podemos imaginar o prejuízo que causaria um ataque a um petroleiro de 300 mil toneladas.

A colisão do USS Connecticut é, por isso, um aviso para a China que, não só quer que os EUA respondam às questões levantadas pelo seu ministro dos Negócios Estrangeiros, como também precisa de implementar medidas de combate a submarinos no mar do Sul da China – urgente para garantir a sua segurança nacional.

Leia mais sobre o assunto em: Segurança no Mar da China Meridional

A classe Seawolf é uma das categorias de submarinos de ataque nuclear mais poderosas, capaz de transportar mais de 50 mísseis, aquáticos e terrestres, incluindo mísseis de cruzeiro e torpedos. As forças militares americanas gabam-se desta classe de submarinos ser capaz de combater uma frota marítima inteira. Contudo, o principal resultado deste exercício é o alerta que oferece à China para aumentar a sua supervisão regional, incluindo o território vizinho das Ilhas Paracel, e portodo o mar do Sul da China. O país precisa de implementar vários sensores hidroacústicos para conseguir detetar a presença de submarinos americanos.

Por essa mesma razão é que este ano foi organizado um exercício militar marítimo entre a China e a Rússia no Golfo de Pedro, o Grande, durante um dia inteiro. A frota chinesa incluiu pela primeira vez o destroyer Nanchang e um sonar a reboque, em coordenação com aeronaves de patrulha marítima. A organização de um exercício de combate a submarinos conjunto aproxima as forças chinesas de uma batalha real, para além de refletir o nível de confiança mútua que existe atualmente entre os dois exércitos, russo e chinês.

*Editor Senior

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
Opinião

Outro submarino nuclear encontrado no mar do Sul da China

Opinião

Segurança no Mar da China Meridional

Opinião

Limites ao consumo energético

Opinião

Sinal de amizade

Assine nossa Newsletter