Moçambique: Primeiro avião da ponte humanitária da UE aterra hoje em Pemba

Moçambique: Primeiro avião da ponte humanitária da UE aterra hoje em Pemba

O primeiro avião de três que vão garantir a ponte aérea humanitária da União Europeia (UE) para apoiar as populações afetadas pela violência armada em Cabo Delgado aterra hoje em Pemba, a capital provincial, indicou uma nota oficial

“Os bens e equipamentos provém de contribuições específicas da Itália, de organizações como a Sant´Egídio, Oikos, Cuamm e, de Portugal, pela Unidade de Apoio Geral de Material do Exército, da CVP, Caritas e Tese”, refere uma nota da União Europeia.

A ponte aérea humanitária da UE para Pemba, norte de Moçambique, transportará perto de 15 toneladas de “equipamento que salva-vidas” e que visa “responder a necessidades humanitárias urgentes”, anunciou, na quarta-feira, a Comissão Europeia.

Segundo o documento da União Europeia em Moçambique, o segundo voo da ponte aérea, uma iniciativa coordenada por Portugal e Itália, vai chegar no domingo.

“Agradeço à Itália e a Portugal por fornecerem o equipamento médico e humanitário: é essencial que o acesso humanitário total seja garantido a partes críticas de Moçambique, para salvar vidas”, declarou o comissário para a Gestão de Crises, Janez Lenarcic.

Um terceiro voo deverá ser organizado posteriormente.

O secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação de Portugal, Francisco André, integra a comitiva esperada hoje em Pemba.

Numa nota divulgada na sexta-feira, o gabinete do secretário de Estado sublinhou que esta visita constitui também “mais um testemunho do forte empenho do Governo português, no plano bilateral e multilateral, em apoiar Moçambique a enfrentar a crise humanitária na região de Cabo Delgado”.

O estabelecimento de pontes aéreas humanitária pela União Europeia foi uma prática utilizada recorrentemente pelo bloco durante a pandemia: segundo estatísticas da Comissão, em 2020 foram operados 67 voos para 20 países através deste mecanismo, o que permitiu fornecer “mais de 1.150 toneladas de equipamento humanitário e médico vital”.

Grupos armados aterrorizam Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo rebelde Estado Islâmico, numa onda de violência que já provocou mais de 2.800 mortes segundo o projeto de registo de conflitos ACLED e 732.000 deslocados de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU).

Related posts
EconomiaPolítica

PRR: Portugal assina hoje acordos de financiamento e empréstimo com a CE

MoçambiquePolítica

Ataques: PR diz que mandato das forças estrangeiras é solidário e visa salvar vidas

LusofoniaMoçambique

Lusófonos manifestam solidariedade com Moçambique, mas sem apoio concreto

MundoPolítica

Covid-19: Negociações entre UE e EUA para passaporte de vacinação estão num impasse

Assine nossa Newsletter