Administração Trump está a “cavar um buraco” na relação com a China, acusa a Xinhua - Plataforma Media

Administração Trump está a “cavar um buraco” na relação com a China, acusa a Xinhua

A agência noticiosa oficial chinesa Xinhua acusa o executivo norte-americano de Donald Trump de estar a “cavar um buraco” no relacionamento entre Washington e Pequim, nas vésperas da transição de poder na Casa Branca.

Medidas como a restrição na emissão de vistos para os 92 milhões de membros do Partido Comunista da China e os seus familiares expõem as “intenções sinistras” das forças “anti-China extremistas em Washington”, que querem “sequestrar o relacionamento bilateral para benefício político próprio”, acusou a agência, em editorial.

Embora o presidente eleito, Joe Biden, tenha sinalizado que pretende manter a pressão sobre a China, espera-se que retorne a um estilo de diplomacia mais convencional e menos conflituoso.

Reverter as medidas da era Trump, no entanto, pode ser difícil, já que daria aos republicanos a oportunidade de renovar as suas acusações de que Biden está a suavizar a postura face a Pequim.

“Ao desafiarem implacavelmente as bases do relacionamento China – EUA, através de ações que ferem os interesses centrais da China, estes políticos anti-China não estão apenas a cavar um buraco para o relacionamento do próximo Executivo [com Pequim], como também a olhar para os seus próprios ganhos políticos pessoais”, disse a Xinhua.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, tem atacado a China quase diariamente em questões envolvendo Taiwan, Tibete, Hong Kong, a região de Xinjiang e o mar do Sul da China.

Os EUA impuseram sanções contra dezenas de autoridades da China continental e de Hong Kong e novas restrições na emissão de vistos para diplomatas, jornalistas e académicos chineses.

O grupo chinês de tecnologia Huawei foi também excluído do mercado dos EUA, que passaram a pressionar vários países a fazerem o mesmo.

O secretário de Estado norte-americano acusou na quarta-feira universidades dos Estados Unidos de cederem à pressão chinesa ao censurarem críticas ao Partido Comunista Chinês, e identificou mesmo pelo nome dois administradores universitários.

A Xinhua abriu a possibilidade de uma melhoria nas relações caso Washington mude a sua abordagem.

“A China e os Estados Unidos devem manter o espírito de não conflito, não confronto, respeito mútuo e cooperação”, sugeriu a Xinhua. “Os dois devem focar-se em gerir as suas diferenças”, apontou.

Artigos relacionados
Política

Republicanos tentam adiar, mas 'impeachment' de Trump avança

MundoPolítica

Biden liga a Trudeau na primeira conversa telefónica com um líder estrangeiro

MundoPolítica

Casa Branca retoma atualizações da pandemia com Anthony Fauci

MundoPolítica

União Europeia saúda regresso dos EUA ao Acordo de Paris

Assine nossa Newsletter