Administração Trump está a “cavar um buraco” na relação com a China, acusa a Xinhua - Plataforma Media

Administração Trump está a “cavar um buraco” na relação com a China, acusa a Xinhua

A agência noticiosa oficial chinesa Xinhua acusa o executivo norte-americano de Donald Trump de estar a “cavar um buraco” no relacionamento entre Washington e Pequim, nas vésperas da transição de poder na Casa Branca.

Medidas como a restrição na emissão de vistos para os 92 milhões de membros do Partido Comunista da China e os seus familiares expõem as “intenções sinistras” das forças “anti-China extremistas em Washington”, que querem “sequestrar o relacionamento bilateral para benefício político próprio”, acusou a agência, em editorial.

Embora o presidente eleito, Joe Biden, tenha sinalizado que pretende manter a pressão sobre a China, espera-se que retorne a um estilo de diplomacia mais convencional e menos conflituoso.

Reverter as medidas da era Trump, no entanto, pode ser difícil, já que daria aos republicanos a oportunidade de renovar as suas acusações de que Biden está a suavizar a postura face a Pequim.

“Ao desafiarem implacavelmente as bases do relacionamento China – EUA, através de ações que ferem os interesses centrais da China, estes políticos anti-China não estão apenas a cavar um buraco para o relacionamento do próximo Executivo [com Pequim], como também a olhar para os seus próprios ganhos políticos pessoais”, disse a Xinhua.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, tem atacado a China quase diariamente em questões envolvendo Taiwan, Tibete, Hong Kong, a região de Xinjiang e o mar do Sul da China.

Os EUA impuseram sanções contra dezenas de autoridades da China continental e de Hong Kong e novas restrições na emissão de vistos para diplomatas, jornalistas e académicos chineses.

O grupo chinês de tecnologia Huawei foi também excluído do mercado dos EUA, que passaram a pressionar vários países a fazerem o mesmo.

O secretário de Estado norte-americano acusou na quarta-feira universidades dos Estados Unidos de cederem à pressão chinesa ao censurarem críticas ao Partido Comunista Chinês, e identificou mesmo pelo nome dois administradores universitários.

A Xinhua abriu a possibilidade de uma melhoria nas relações caso Washington mude a sua abordagem.

“A China e os Estados Unidos devem manter o espírito de não conflito, não confronto, respeito mútuo e cooperação”, sugeriu a Xinhua. “Os dois devem focar-se em gerir as suas diferenças”, apontou.

Related posts
ChinaEconomia

“Espero que os Países de Língua Portuguesa possam ser beneficiados”

MundoPolítica

EUA repatria um prisioneiro de Guantánamo, a primeira transferência no governo Biden

ChinaPolítica

China critica EUA por apelo a “frente unida” com a Europa contra Pequim

ChinaMundo

Secretário de Estado dos EUA em reunião virtual com muçulmanos uigur detidos na China

Assine nossa Newsletter