Sabe qual o alimento mais consumido no mundo? - Plataforma Media

Sabe qual o alimento mais consumido no mundo?

A comida foi sempre um elo de aproximação entre pessoas. Apesar de países, culturas e cozinhas serem diferentes, existem ingredientes universais que combinam com diferentes receitas e são consumidos em todo mundo. O pão é um exemplo clássico. 

Há pães de todos os tipos. E todos possuem uma base parecida. Será o pão o alimento mais consumido no mundo? 

A resposta é-nos divulgada anualmente pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura, que tem por objetivo garantir o acesso da população mundial a uma boa alimentação, para uma vida ativa e saudável.

Provavelmente, para surpresa de muitos, aqueles que pensaram nos laticínios acertaram. Na realidade, no ranking dos alimentos mais consumidos no mundo, estes ocupam o primeiro lugar com 589 milhões de toneladas consumidas anualmente. De seguida encontra-se o trigo, com 439 milhões, e só depois o arroz, com 354 milhões de toneladas por ano.

O leite é o alimento mais completo que existe. Deve ser tomado em qualquer idade, principalmente pelas crianças, pois é um dos grandes responsáveis pelo crescimento e saúde infanto-juvenil. É indispensável na alimentação diária, porque contém tudo o que faz bem à saúde.

Valor nutricional do leite

Existem muitos tipos de leite. De vaca, cabra, ovelha ou búfalo.Também encontramos versões vegetais, tais como o de coco ou amêndoas, por exemplo. Há, ainda, os integrais, desnatados, pasteurizados, em pó, etc. Mas pela sua composição, e elevado valor nutricional, não há alimento com que se possa comparar.

O grande benefício do leite e seus derivados é o facto de serem uma importante fonte de proteínas, cálcio e outros minerais e vitaminas, além de triptofano que ajuda a pessoa a manter-se alegre e bem-disposta, pois é uma fonte rica de energia.

Para beneficiar de todas as qualidades deste alimento, a Organização Mundial da Saúde recomenda um consumo diário de 0,575 litros per capita.

Benefícios e nutrientes 

Em primeiro lugar, os latícinios fortalecem os ossos. Ajudam no crescimento porque fornecem cálcio, fósforo, magnésio, vitamina A e proteínas essenciais à formação e reparação óssea e muscular. Um consumo adequado destes produtos protege, ainda, contra doenças como a osteoporose.

A vitamina D, também presente neste alimento, ajuda na absorção do cálcio pelo intestino, colabora na fixação deste mineral e do ferro nos ossos e nos dentes e, ainda, impede a perda de massa óssea.

Em segundo lugar, a concentração de cálcio e fósforo no leite é benéfica para o desenvolvimento e manutenção dos dentes. E a proteína caseína, ajuda a prevenir as perdas de cálcio e fósforo do esmalte dos dentes quando expostos a alimentos ácidos.

Mas sabia que o leite também ajuda a controlar a tensão arterial e a manter a boa saúde cardiovascular? Consumir latícinios reduz a pressão arterial (tanto em adultos como em crianças) e o risco de doenças cardiovasculares. Os vários componentes reduzem os níveis de colesterol LDL no sangue, bem como evita a oxidação. 

Alguns cientistas acreditam que o cálcio evita a absorção de gorduras saturadas no intestino, prevenindo a acumulação no sangue.

O consumo de leite e derivados como parte de uma dieta completa, variada e equilibrada está associado à manutenção de um peso corporal saudável e à diminuição da acumulação de gordura visceral, prevenindo assim a obesidade.

O alto teor de cálcio presente no leite ajuda na perda de peso por ter o potencial de se ligar a moléculas de gordura e, com isso, impedir a absorção pelas células.

O leite é um alimento tão completo que também ajuda na prevenção da diabetes tipo 2.

Um estudo realizado em mais de 37 mil mulheres de meia idade revelou que aquelas que consumiam leite (e derivados) com baixo teor de gordura mais frequentemente, apresentavam um risco reduzido de desenvolverem diabetes tipo 2. Acredita-se que esta associação esteja relacionada com o baixo índice glicémico destes produtos, além da riqueza em cálcio, magnésio e vitamina D.

Outro estudo realizado em 45 mil homens suecos demonstrou que os que bebiam um copo e meio de leite, por dia tinham 35 por cento menos risco de desenvolver cancro do que aqueles que consumiam menos de dois copos por semana. 

As vitaminas A e B2, dois componentes essenciais para a boa saúde ocular, também estão presentes neste alimento tão rico. 

A tão famosa bebida branca fornece-nos, ainda, os aminoácidos essenciais de que precisamos e que o nosso corpo não produz. Em comparação com a carne ou o peixe, o leite tem mais 20 por cento de aminoácidos essenciais. 

Por último, as vantagens do consumo desta bebida faz-se sentir ao nível do sistema nervoso e imunitário, da normal função cognitiva, na formação e manutenção dos órgãos e na cicatrização. Graças à forte presença das vitaminas A e Complexo B (B12, B3 e B2) na composição, estas aumentam a resistência às doenças infecciosas e facilitam a digestão. 

Agricultura sustentável

A pecuária é considerada umas das atividades agrícolas mais importantes no mundo. No entanto, os danos ambientais associados à agropecuária aumentam à medida que cresce a procura por alimentos. 

Devido a tamanho impacto ambiental da agropecuária, observa-se uma crescente procura de tecnologias e soluções que permitam o desenvolvimento da atividade de forma sustentável. E esta é já uma realidade. Pesquisas indicam que estes novos métodos são também eficazes na bovinocultura. 

Os produtores de laticínios procuram novas técnicas para obterem maior produção de leite, sem danos para o meio ambiente, nem custos elevados para o setor. É a resposta do conhecimento e do desenvolvimento tecnológico aos desafios ambientais e económicos atuais e futuros.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
MundoPlataforma Sabores

Agricultura sustentável, o caminho para alimentar o mundo

MoçambiqueMundo

Moçambique participa na segunda cimeira global sobre fortificação de alimentos

Plataforma SaboresSociedade

Como alimentar o corpo e a mente

BrasilChina

Pequim pede a Brasília para suspender exportações de empresas com casos Covid-19

Assine nossa Newsletter