Chegaram os food trucks sem condutor e vendedor - Plataforma Media

Chegaram os food trucks sem condutor e vendedor

O pequeno carro sem condutor com o pequeno-almoço “móvel” da Pizza Hut – “Restaurant on Wheels” –avançou sozinho pelas ruas da cidade em Shenyang, na última semana de novembro, disponibilizando um pacote combinado que incluía, designadamente sanduíches e leite de soja, com um custo unitário de 10 yuans

Na mesma semana, a pouco mais de 1.700 quilómetros mais pra sul, em Xangai, foi a vez do pequeno-almoço “móvel” do KFC circular pela movimentada metrópole chinesa, a oferecer hambúrgueres embalados e outros set menus.

Os consumidores só precisam de fazer a leitura do código QR no ecrã instalado no pequeno veículo, selecionar a refeição e concluir o pagamento via telefone móvel e, em seguida, abrir a janela ao menu escolhido tem a refeição “na mão”. Todo o processo associado a este self-service móvel, sem condutor, pode ser concluído em menos de 15 segundos. Cada carro-self-service autónomo pode fornecer entre 200-400 refeições.

O inovador veículo de entrega, neste caso de refeições, utiliza a nova tecnologia 5G driverless. Não há condutor do veículo nem pessoal para realizar o serviço de vendas. Tudo é digitalizado e automatizado para entrega e retirada dos alimentos.

Alguns internautas perguntaram se estre serviço, no futuro terá alguma gestão urbana?

Não é a primeira vez que esse tipo de food trucks circula pelas ruas. No início de novembro, veículos semelhantes apareceram nas ruas de Xiamen. O princípio é o mesmo. Os clientes podem retirar as respetivas mercadorias após terem pago os itens no ecrã que disponibiliza a lista de produtos e onde se efetiva a compra.

No caso dos food trucks o foco ainda está nas questões relacionadas com aspetos da segurança alimentar, uma vez que a tecnologia estará já relativamente amadurecida. A preocupação dos internautas está mais virada para “a gestão urbana” deste tipo de veículos, defendendo que esse aspeto já deveria estar tratado.

No fundo está-se perante um veículo que funciona como uma loja de conveniência, móvel e sem funcionários, em que o cliente entra na loja com um código. As lojas de conveniência funcionam 24 horas por dia, o que pode reduzir bastante os custos de mão-de-obra. 

Por exemplo, em matéria de pequeno-almoço do tipo ocidental, os panini, os hambúrgueres e outros produtos são previamente confecionados, garantindo-se que a temperatura se mantém ao longo dos trajetos do food trucks. Assegurar a manutenção da temperatura até ao momento da venda não requer tecnologia muito sofisticada. Por outro lado, as limitações inerentes à dimensão e capacidade do próprio veículo podem ser uma das desvantagens. Os food trucks podem carregar categorias limitadas de alimentos, o que pode reduzir o interesse e o desejo de compra dos consumidores.

Os food trucks em causa, e que ainda se encontram em fase experimental, têm sido desenvolvidos pela empresa chinesa Neolix e são exatamente iguais aos veículos 5G usados nos hospitais da Tailândia para transportar medicamentos, evitando-se o contacto entre pessoas.

De acordo com a Forbes, a Neolix é uma ferramenta miniatura para vendas, entregas e patrulhamento. Durante a pandemia foi usado até para ações de desinfeção de ruas. 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
BrasilChina

China quer elevar patamar de cooperação científica com o Brasil

FuturoGrande Baía

Novo Porto de Hengqin quer criar “fronteira inteligente”

FuturoMundo

Dia Mundial dos Oceanos assinala importância da inovação

Futuro

Cientistas descobrem seis novas estirpes de coronavírus em morcegos

Assine nossa Newsletter