Exigida a responsabilização de polícias que filmaram mulher seminua

Polícias moçambicanos que filmaram mulher seminua têm de ser punidos

A Ordem dos Advogados de Moçambique (OAM) exigiu hoje a responsabilização criminal de polícias que filmaram um homem e uma mulher seminua dentro de uma viatura em Maputo, considerando a atuação dos agentes atentatória às leis do país.

No início desta semana, circularam imagens de vídeo nas redes sociais de um homem e uma mulher sem calças no interior de uma viatura estacionada na marginal de Maputo perto da baía da capital.

As imagens terão sido gravadas numa noite em data desconhecida, com o telemóvel de um dos agentes, que depois as terá difundido.

No vídeo, ouve-se a voz de um dos polícias a dizer várias vezes que a mulher está nua e um outro agente incentiva o colega a filmá-la, enquanto a mulher pede para não ser gravada, referindo-se ao polícia que o filma como “chefe”.

Em comunicado a que a Lusa teve hoje acesso, a Comissão dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados de Moçambique (CDHOAM) repudia e condena a atitude dos polícias, porque considera que viola direitos fundamentais, exigindo a responsabilização criminal e civil.

“A CDHOAM identificou e contactou uma das vítimas, o que culminou com a apresentação de uma queixa-crime contra os agentes envolvidos, pelo cometimento, entre outros, dos crimes de injúria, roubo qualificado, extorsão e violência moral, todos previstos e punidos nos termos do Código Penal vigente”, lê-se na nota.

O órgão considera que a filmagem e posterior divulgação do referido vídeo atenta contra a dignidade humana, ofende a integridade moral, o direito à defesa plena e a presunção de inocência das vítimas, consagrados na Constituição da República de Moçambique.

A CDHOAM avança que realizou diligências junto do Comando da Polícia da Cidade de Maputo, “que culminaram com a identificação de cinco dos seis agentes envolvidos neste ato de grave violação dos direitos humanos, tendo recebido informações da instauração de processos disciplinares contra os mesmos”.

Os advogados consideram estrutural e sistemática a violação grave dos direitos humanos por agentes da PRM, contrariando a função legalmente atribuída à instituição.

“Na República de Moçambique, a lei protege os cidadãos contra qualquer ofensa ilícita ou ameaça de ofensa à sua personalidade física ou moral, bem como impõe a todos os cidadãos o dever de guardar a reserva quanto à intimidade da vida privada de outrem”, assinala.

A CDHOAM enfatiza que o facto de um cidadão ser eventualmente surpreendido ou interpelado pela PRM em flagrante delito no cometimento de um suposto ilícito criminal não legitima o uso de meios ilegais, indignos e desproporcionais.

Por outro lado, continua a nota de imprensa, a lei proíbe a obtenção de provas mediante ofensa da integridade física ou moral, abusiva intromissão na sua vida privada.

Artigos relacionados
ChinaEconomia

"Moçambique em risco de cair na dependência financeira da China"

MoçambiqueSociedade

Polícia proíbe imagens dos deslocados que desembarcam em Pemba

EconomiaMoçambique

Moçambique não deverá melhorar o rating até final de 2021

MoçambiqueSociedade

Abate de 270 terroristas em Cabo Delgado liderado por homem de 80 anos

Assine nossa Newsletter