“Cabo Delgado não é um conflito religioso”, diz líder islâmico - Plataforma Media

“Cabo Delgado não é um conflito religioso”, diz líder islâmico

“A maioria dos deslocados na província são muçulmanos”, esclarece o líder da Comunidade Islâmica em Moçambique. Em declarações exclusivas ao PLATAFORMA, Abdul Rashid Ismail garante que “Cabo Delgado não é um conflito religioso”. As milícias, que ultimamente espalham a narrativa do Estado Islâmico, “querem denegrir a comunidade muçulmana” , garante.

A tese segundo a qual o Estado Islâmico estaria por trás dos massacres, na região rica em minerais e gás natural é terminantemente negada pelo líder religioso, que lembra outras regiões do país habitadas por membros da comunidade muçulmana, onde não há conflitos. Porquê? Para Abdul Rashid Ismail, a explicação é simples: “Nessas zonas não acontece nada porque não há lá nada, não há as riquezas que existem em Cabo Delgado”.

Este é “simplesmente, um apelo à paz”, frisa Ismail, lamenta o comportamento de outros países e instituições operante o massacre de mais de 1.100 pessoas e o terror que em que vivem 200 mil deslocados: “A comunidade internacional fala muito de direitos humanos, mas até agora não fez nada”. Por isso o seu apelo não é dirigido à comunidade internacional, mas sim “à humanidade, em especial aos países de língua portuguesa, para que ajudem na resolução definitiva deste problema”.

O radicalismo e o fundamentalismo existem em todas as sociedades e religiões, assume o líder da comunidade islâmica. Mas, neste caso, alguém “está a fabricar estes extremistas e há interesses externos de empresas e de países” que ajudam a explicar o conflito armado. “Quem ataca são como atores que representam o papel de muçulmanos… Há ali muitos ‘Anthony Quinn’s’, que querem denegrir a imagem do Islão”, remata.

Do alto dos seus mais de 60 anos, o responsável religioso garante que “nunca conheceu um muçulmano violento em Moçambique”. E lança o apelo: no terreno, em Cabo Delgado, não há apoios, ninguém está a ajudar. Os refugiados estão “entregues à sua sorte e só pedem comida e um teto”. Até porque “o governo local não tem condições para apoiar a quantidade de pessoas que tem abandonado os seu locais de origem”.

A comunidade muçulmana tem lá tem ido entregar alimentação…e é também a comunidade islâmica que vai lançar “um projeto de construção de 200 casas, num condomínio que também deve ter uma escola primária, um posto de saúde, um posto de polícia e um jardim”, descreve Ismail.

Se pudesse reunir com o Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, o líder islâmico só tinha um pedido: “Mobilize as forças militares necessárias para travar o conflito”, que se arrasta há mais de dois anos. Se o país teve meios para travar uma guerra durante tantos anos, “como é possível que não tenha meios os para mandar para Cabo Delgado e para com este conflito?”, pergunta o líder religioso.

Este artigo está disponível em: English

Related posts
MoçambiqueMundo

Serviços de saúde em Moçambique recusam grávidas em fuga

MundoPolítica

EUA retomam negociações com os Talibãs na próxima semana

LusofoniaMoçambique

Galp aponta paz como condição para investimentos em Moçambique

BrasilSociedade

Aumento da violência contra indígenas no Brasil preocupa AI

Assine nossa Newsletter