“ACREDITO QUE NO FUTURO HAVERÁ JAZZ DE ESTILO CHINÊS” - Plataforma Media

“ACREDITO QUE NO FUTURO HAVERÁ JAZZ DE ESTILO CHINÊS”

 

O menino de Shanxi, que frequentou o Conservatório de Música Central, destacou-se a tocar suona na Orquestra Chinesa de Hong Kong. Guo Yazhi chegou a ser músico do ano,  mas o sucesso não lhe chegou. Tinha um plano que era o de recuperar a capacidade de improviso perdida na China. Por isso partiu para os Estados Unidos, onde foi aprender jazz. Mestre de um instrumento tradicional de sopro, que explorou na música clássica, partilhou depois o palco com artistas de rock e de pop, dando à suona uma projeção nunca imaginada. Mas quer mais: mira no horizonte o dia em que a música tradicional e clássica chinesa recuperam a individualidade e a capacidade de improviso.

 

“Os artistas de música tradicional aprendem Jazz?” Só isto bastou para acender a minha curiosidade e para começar a reunir informação sobre Guo Yazhi: nasceu na província de Shanxi, foi professor de suona no Conservatório de Música Central, ganhou em Nova Iorque o primeiro prémio do concurso “Pro Musicis”, foi o principal suonista da Orquesta Chinesa de Hong Kong, fundador da Associação de Suona de Hong Kong, deu concertos com famosos cantores pop de Hong Kong em Hung Hom. Flores, aplausos e fama é o que não falta, mas já nos seus “quarentas” deixou a movimentação de Hong Kong para se ir esconder na calma cidade de Boston, onde se dedicou a aprender Jazz. Tanto quanto se sabe, este é um homem com muitas estórias.

Depois de alguma preparação, lá me encontrei com Guo Yazhi em Boston. Vestia uma camisa de estilo chinês com um gorro vermelho Lacoste, parecendo que nele próprio casou as culturas chinesa e ocidental. Depois de assistirmos juntos ao concerto da orquestra sinfónica de Boston, sentámo-nos na Berklee College of Music e falámos sobre a sua experiência. Da sala clássica da Boston Symphony Hall à música pop da Berklee College of Music, a apenas uma rua e alguns minutos de distância; desde o espetáculo de música étnica tradicional a um show de jazz improvisado. Mas Guo YaZhi quer ir ainda mais longe com a sua vida.

“Há pouco ouvimos a orquesta sinfónica a tocar o Herói de Beethoven, a melodia daquela trompa eu também a sei tocar”, diz a sorrir. Pois é, o primeiro instrumento que este mestre chinês de suona aprendeu foi a trompa francesa. “Eu tinha nove anos quando comecei a aprender a tocar trompa. Os meus pais chegaram a tocar na escola de artes de Shanxi; o meu pai sabia tocar um pouco de todos os instrumentos, a minha mãe era professora de ópera de Shanxi. Naquela altura estava-se no meio da Revolução Cultural, a escola de artes foi dissolvida e todos se encontravam a trabalhar na equipa de propaganda de uma fábrica. Só depois da Revolução Cultural acabar é que eles voltaram à escola.”

 

Nos seus tempos de jovem, ele e a família não tiveram a vida facilitada. Quando os seus pais voltaram para a escola de artes, também ele entrou na escola e começou a aprender a tocar banhu – instrumento de cordas semelhante a um violino. Mais tarde acompanhava os pais a atuar em aldeias remotas, mas por vezes essas deslocações podiam durar tempo indeterminado. “Naquela altura as aldeias eram realmente remotas. Se começasse a chover não havia maneira de sair à rua. Ainda me lembro que após todas as performances eu ficava todo branco. Era por causa da resina que caía do banhu quando o tocava.” Guo YaZhi tinha então apenas quinze ou dezasseis anos, não conseguia suportar estes tempos difíceis. Depois de trabalhar um ano e meio no grupo de teatro da escola de artes, aprendeu sozinho a tocar suona com a ajuda de alguns professores. Entrou no Conservatório de Música Central e tornou-se aluno do curso de suona. Ao perguntar o porquê de escolher este intrumento, Guo YaZhi responde com franqueza: “A razão principal porque escolhi a suona foi para conseguir entrar no Conservatório. No princípio não gostava lá muito deste instrumento, mas eu tenho uma característica que me faz amar cada coisa que faça, que também me faz pensar em maneiras de me destacar dos demais.

Após a graduação do Conservatório, Guo YaZhi ficou nesta escola a lecionar e começou a espalhar a arte da suona por mais e mais pessoas. Neste período de tempo, tornou-se na pessoa mais famosa da escola, acumulando um grande número de gravações. Canções populares como “À Beira da Água” (The Water Margin) ou “O amor do barqueiro” (The boatman’s love) contêm performances suas. Em 1993 inventou o suona live core, sistema que faz com que as modulações de som que antes necessitavam de 20 tocadores de suona sejam agora alcançadas por apenas três. Hoje em dia a maior parte dos grupos de música tradicional chinesa usam este instrumento, tornando Guo YaZhi uma referência dos tocadores de suona da nova geração.

 

Yu Qian

 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter