O Estado tem de ser "de bem", mas às vezes é dececionante

O Estado tem de ser “de bem”, mas às vezes é dececionante

A Provedora de Justiça confirma que dispararam os pedidos de ajuda e intervenção durante o estado de emergência. As telecomunicações e a escola, foram os principais problemas

Maria Lúcia Amaral, a Provedora de Justiça, não parou desde o inicio da pandemia. A lei do estado de emergência estipula que a provedoria funcione em sessão permanente durante essas situações extremas.

A provedora levou à letra a ideia de sessão permanente, que esteve todos os dias no gabinete da Provedoria de Justiça, em Lisboa. Ela e mais 10 elementos da equipa, que é composta por cerca de 100 pessoas, maioritariamente juristas.

O Estado da Nação – Direitos Liberdades e Garantias

Qual é o estado da nação? E de que forma a pandemia veio mexer com as nossas vidas? Veja a entrevista a Maria Lúcia Amaral, Provedora de Justiça.

Publiée par TSF – Rádio Notícias sur Lundi 20 juillet 2020

Nesse período, a provedoria foi inunda de pedidos de ajuda e esclarecimento, sobre uma realidade nova que também envolveu a relação dos cidadãos com estado, e com as empresas que prestam serviços essenciais.

“Estou a ali para resolver problemas e não para esclarecer dúvidas. Mas desta vez respondi”, revelou a provedora, numa entrevista à TSF.

Leia mais em TSF

Related posts
BrasilPolítica

MP do Brasil quer retirada de extratores de ouro na Amazónia

AngolaCabo Verde

Cidadãos lusófonos multados por transporte de dinheiro para general angolano

MacauSociedade

Recurso da Wynn rejeitado pelo TUI, que terá de pagar indemnização

MundoPolítica

Comissão do ataque ao Capitólio convoca mais aliados de Trump

Assine nossa Newsletter