Sagres regressa e adia estudo dos oceanos - Plataforma Media

Sagres regressa e adia estudo dos oceanos

A Sagres já deu meia volta para regressar a Lisboa depois de a viagem de celebração dos 500 anos da circum-navegação de Fernão de Magalhães ter sido interrompida devido ao risco da pandemia causada pelo Sars- CoV-2. O navio estava na África do Sul. A chegada a Lisboa está prevista para a primeira quinzena de Maio.

A notícia do regresso a Portugal não foi uma surpresa mas, ainda assim, foi recebida “com alguma tristeza” pelas 142 pessoas embarcadas. A bordo está uma equipa de cientistas que produz 13 GB de dados por dia. Objetivo: ajudar a prever o clima do futuro, a perceber melhor as alterações climáticas e a avaliar a saúde dos oceanos.

Numa expedição rara à volta do Mundo, os investigadores estavam a aproveitar para recolher informação de sítios nunca antes medidos. Nos dois meses que o navio leva de navegação, os cientistas recolheram dados do oceano, da atmosfera e da radiação que vem do espaço. No mastro, dois sensores medem a cada segundo o campo elétrico da atmosfera. A medição é importante, porque “hoje há mais poluição e o campo elétrico está diferente”.

“Essa é a maior incerteza que há nos modelos climáticos atuais, que ainda usam os dados de há cem anos”, diz Susana Barbosa, líder científica do projeto SAIL (Space-Atmosphere-Ocean Interactions in the marine boundary layer), coordenado pelo Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC).

No navio segue uma espécie de submarino – o Towfish – que mede a temperatura, salinidade, clorofila, ruído associado à vida marinha e o oxigénio. “Há, neste momento, zonas de mínimos de oxigénio no oceano”, assinala Susana.

“O que impressionou mais, ao atravessar o Atlântico, foi perceber que o mar está morto. Não vemos pássaros, cetáceos, peixes voadores, golfinhos, baleias, peixe-gato. Ninguém duvida que está diferente”, alerta.

Outro estudo em curso passa pela monitorização do lixo marinho e a medição da quantidade de microplásticos no oceano, realizado em associação com o Instituto Hidrográfico português. Os dados recolhidos contribuirão para mapear zonas de acumulação e avaliar a saúde dos peixes.

Deveriam ser 371 dias de uma jornada única. Previa-se que a Sagres passasse por 19 países, Ficou-se por seis devido à pandemia.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
Sociedade

Países ricos são chamados a ajudar os mais pobres a enfrentar a mudança climática

Sociedade

Oceanos são "um grande desafio para Portugal"

Mundo

Um planeta mais quente deixará animais mais doentes

MundoSociedade

Até os cactos são ameaçados pela mudança climática

Assine nossa Newsletter