Putin promete a Bolsonaro manter o envio russo de fertilizantes ao Brasil - Plataforma Media

Putin promete a Bolsonaro manter o envio russo de fertilizantes ao Brasil

Líder russo explicou ao Presidente brasileiro a importância de restaurar a estrutura do livre comércio desses bens, “desmoronada pelas sanções ocidentais”, reparta o Kremlin

O Presidente russo, Vladimir Putin, prometeu hoje ao chefe de Estado brasileiro, Jair Bolsonaro, que seu país manterá o fornecimento ininterrupto de fertilizantes russos aos agricultores brasileiros, informou o Kremlin.

Leia também: EUA recusou e Bolsonaro pediu ajuda a Putin para submarino nuclear

Os dois líderes abordaram os problemas da segurança alimentar mundial num telefonema, disse a Presidência russa em comunicado. O chefe do Kremlin também “enfatizou que a Rússia está comprometida em cumprir as suas obrigações para garantir o fornecimento ininterrupto de fertilizantes russos aos agricultores brasileiros”.

Putin terá descrito a Bolsonaro em detalhes as causas da difícil situação do mercado mundial de produtos agrícolas e fertilizantes.

O líder russo destacou a importância de restaurar a estrutura do livre comércio desses bens, “desmoronada pelas sanções ocidentais”, segundo o Kremlin, e que foram impostas na sequência da invasão da Ucrânia por Moscovo.

Putin disse em várias ocasiões que a Rússia não é culpada pela crise alimentar mundial, já que são as sanções ocidentais que impedem as exportações russas porque dificultam a logística, os pagamentos internacionais e o transporte. O Presidente russo insistiu que a União Europeia (UE) sancionou os fertilizantes russos, enquanto de Bruxelas insistem que não é esse o caso e que também não sancionou os produtos agrícolas russos.

Leia também: Bolsonaro diz que retirada de tropas da fronteira foi gesto de Putin

Putin e Bolsonaro confirmaram ainda a intenção mútua de fortalecer constantemente a parceria estratégica entre os dois países, inclusive ampliando a cooperação em diversos campos, como agricultura e energia.

Os governantes também falaram de algumas questões da agenda internacional, incluindo o início, em 01 de julho deste ano, da presidência rotativa do Conselho de Segurança das Nações Unidas pelo Brasil.

Este artigo está disponível em: English

Assine nossa Newsletter