Benefícios sociais e económicos para Macau na Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau

Benefícios sociais e económicos para Macau na Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau

A inauguração da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau trouxe novas oportunidades para o desenvolvimento económico de Macau, oferecendo uma nova ligação entre as três cidades. O atual fluxo de tráfego da ponte é inferior ao esperado devido ao impacto das medidas de restrição fronteiriças e de controlo epidémico. Para maximizar os benefícios sociais e económicos deste projeto, o Governo da RAEM deve coordenar o seu uso com as medidas de controlo epidémico e tirar partido de todas as vantagens que a ponte traz à Região.

Wong Sio Chak, Secretário para a Segurança, afirma que já se reúnem as condições básicas para a implementação da medida que oferece aos veículos de Macau acesso a Guangdong. O sistema de informação implementado já está a dar frutos e está tudo preparado para o comunicado de Macau em simultâneo com a China continental e Hong Kong. Segundo o Relatório de Linhas de Acção Governativa 2022, apresentado pelo Executivo, serão oferecidas infraestruturas adicionais para o envio transfronteiriço de mercadorias entre Hong Kong e Macau na zona de controlo da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau.

Desta forma, empresas das duas cidades poderão continuar as suas atividades comerciais através da ponte e usufruir de mais uma forma de transporte de mercadorias. Contudo, ainda não é possível para veículos de mercadoria de Hong Kong candidatarem-se ao sistema de matrículas digitais do Interior da China, pois o seu acesso está apenas disponível para veículos ligeiros de passageiros.

Caso este sistema seja aberto aos restantes veículos, mercadorias provenientes de Hong Kong poderão entrar no continente em conjunto com mercadorias de Macau, integrando os transportes de ambas as regiões e facilitando o movimento de mercadorias entre Hong Kong, Macau e Zhuhai. O Governo de Macau poderá assim colaborar com os governos de Guangdong e Hong Kong e tentar resolver esta limitação à entrada de mercadoria de Hong Kong através da ponte.

A capacidade de transportes de Hong Kong e Macau faz com que apenas um reduzido número de matrículas, tanto de empresas como comerciantes, possam viajar entre ambos os locais: em Hong Kong são aproximadamente 1800, enquanto que em Macau são 3500. No entanto, segundo dados de 2021, existiam em Hong Kong cerca de 600 mil carros particulares e 100 mil em Macau. Esta disparidade entre o número de veículos das duas cidades e a quota de acesso de ambas prova que falta ainda desenvolver esta área para dar resposta às necessidades da região, tanto para lazer, comércio ou visitas a familiares e amigos.

O Governo da RAEM pode, porém, aumentar o número de veículos com acesso à deslocação entre as duas cidades ou até desenvolver um novo sistema de matrículas temporárias onde os residentes possam candidatar-se a uma licença de transporte de curta duração (entre três a sete dias de validade) para facilitar a ligação entre as cidades após a pandemia. Nas instalações da Ponte em Macau existem três mil lugares de estacionamento disponíveis para veículos com matrícula de Hong Kong, contudo, apesar de mais de 15 mil veículos terem sido registados, o parque de estacionamento em questão regista apenas um volume diário de 300 veículos.

O Executivo poderá implementar medidas diretas para otimizar este sistema de estacionamento e ajudar residentes de ambas as cidades a viajarem de forma mais conveniente. A implementação de uma medida que oferece acesso a Guangdong aos veículos de Macau poderá, sem dúvida, concretizar a livre deslocação destes veículos nos três centros urbanos da Grande Baía, e não só beneficiar a vida dos seus residentes, como também todo o desenvolvimento social e económico de Macau. O Governo deve aproveitar esta oportunidade para maximizar as vantagens únicas da cidade.

*Deputado da Assembleia Legislativa de Macau

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter