Política de zero casos sem alta vacinação é “atrasar o inadiável”

Política de zero casos sem alta vacinação é “atrasar o inadiável”

O epidemiologista Manuel Carmo Gomes considerou que territórios como Macau que insistiram na política de zero casos de covid-19 não provocaram a necessidade às pessoas de se vacinarem e “estão apenas a atrasar o inadiável”

É muito difícil sem ter uma vacinação muito alta conseguir aguentar com medidas dessas. Estão apenas a atrasar o inadiável”, afirmou à Lusa o professor, investigador e epidemiologista da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, figura frequente nas reuniões da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed).

Macau foi um dos primeiros territórios a registar casos de covid-19, em janeiro de 2020. Numa primeira fase chegou a ser considerado um caso de sucesso mundial na contenção do vírus.

Controlou as fronteiras, rastreou os casos suspeitos, impôs pesadas quarentenas a todos os que regressavam, disponibilizou máscaras a toda a população a um preço unitário de menos de 10 cêntimos e o seu uso era, e continua a ser, quase generalizado.

Mas passado mais de um ano e meio desde o início da pandemia, a ‘receita’ do território permanece quase inalterada. Macau continua praticamente fechado ao mundo, proibindo a entrada a estrangeiros não residentes, e as novas medidas epidémicas vão no sentido contrário à esmagadora maioria de outros países e territórios.

Em setembro, por exemplo, após o território ter detetado casos de covid-19 em funcionários de um hotel para quarentenas, as autoridades encerraram todas as escolas, bares e discotecas e outros espaços públicos, apesar de o surto ter acabado por se limitar a uma dezena de casos.

As autoridades decretaram ainda várias testagens em massa da população do território, que registou apenas 77 casos da doença desde o início da pandemia.

Esta receita, na opinião de Manuel Carmo Gomes, é contraproducente, porque apesar de ser possível controlar a propagação de casos através de fortes confinamentos, esta política provoca uma sensação de segurança, que pode levar a desincentivar a população de se vacinar.

“Países que apostaram na política de zero casos rapidamente perceberam que a população não adere à vacinação, porque não sente que existe um perigo real. É o caso da Nova Zelândia e da Austrália, que já abandonou a política de casos zero e está a apostar na vacinação”, detalhou.

“Se houver muito poucos casos devido a esses confinamentos muito rigorosos as pessoas não sentem necessidade de se vacinar”, reforçou.

Em Macau, com uma população de cerca de 680 mil pessoas, a campanha de vacinação, voluntária, gratuita, e com a possibilidade de escolha entre duas vacinas, a Sinopharm e a BioNTech, arrancou em fevereiro, mas pouco mais de 50%% da população está totalmente vacinada.

Para reforçar esta tese, o investigar recordou ainda o caso do Vietname, “que teve uma política de confinamentos muito rigorosa, que realmente controlou muito bem a pandemia, e agora as pessoas não se vacinam, porque não sentem que exista necessidade de o fazer”.

Para Manuel Carmo Gomes, a política de zero casos “consegue-se aguentar com uma variante menos contagiosa do que esta (…), mas agora com a Delta isso é impossível, porque é tão contagiosa como a varicela”.

Related posts
MacauPortugal

Quarentena de 21 dias mantém-se para quem vem de Portugal

MacauPolítica

Fronteiras: Macau tem um longo caminho pela frente

MacauSociedade

Marcações disponíveis no Hotel Tesouro para quem vem da Europa

MacauSociedade

Saúde de Macau rejeita vacinação ou teste obrigatório em crianças

Assine nossa Newsletter