Presidente chinês defende mais apoio aos países em desenvolvimento

Presidente chinês defende mais apoio aos países em desenvolvimento

XI-JING-PING

Xi Jinping destacou hoje a responsabilidade dos países mais ricos no combate às mudanças climáticas, defendendo mais apoio aos países em desenvolvimento

O Presidentedefendeu mais apoio aos países em desenvolvimento. A observação, citada pela agência de notícias chinesa Xinhua, é feita numa declaração escrita submetida à 26.ª conferência do clima das Nações Unidas (COP26), em Glasgow, da qual está ausente. 

Na mesma declaração, o Presidente disse que a China pretende dar prioridade a uma “economia verde”, com grande investimento em energia solar e eólica, mas sem adiantar detalhes.

“Vamos promover um sistema económico verde, de baixo carbono e circular a um ritmo mais rápido, avançar com o ajuste da estrutura industrial e controlar o desenvolvimento irracional de projetos de uso intensivo de energia e emissões elevadas”, afirmou.

Xi revelou pretender publicar planos de implementação específicos com calendários mais precisos para áreas-chave como a energia, indústria, construção e transporte, e para setores-chave como o carvão, eletricidade, ferro e aço e cimento, bem como medidas de apoio em termos de ciência e tecnologia, captura de carbono e incentivos fiscais e financeiros.

A China tem como meta atingir o pico das emissões de gases com efeito de estufa em 2030 e a neutralidade carbónica em 2060, 10 anos mais tarde do que a maioria das grandes economias mundiais. 

Na declaração, citada pela Xinhua, o chefe de Estado chinês apela ainda a todos os países para tomarem “ações mais firmes”, defendendo um consenso multilateral, uma aposta em ações concretas e a aceleração da transição verde.

“Quando se trata de desafios globais como as mudanças climáticas, o multilateralismo é a receita certa”, vincou.

Mais de 120 líderes políticos e milhares de especialistas, ativistas e decisores públicos reúnem-se até 12 de novembro, em Glasgow, na Escócia, na 26.ª Conferência das Nações Unidas (ONU) sobre alterações climáticas (COP26) para atualizar os contributos dos países para a redução das emissões de gases com efeito de estufa até 2030.

A COP26 decorre seis anos após o Acordo de Paris, que estabeleceu como meta limitar o aumento da temperatura média global do planeta entre 1,5 e 2 graus celsius acima dos valores da época pré-industrial.

Apesar dos compromissos assumidos, as concentrações de gases com efeito de estufa atingiram níveis recorde em 2020, mesmo com a desaceleração económica provocada pela pandemia de covid-19, segundo a ONU, que estima que, ao atual ritmo de emissões, as temperaturas serão no final do século superiores em 2,7 ºC.

Related posts
Mundo

Após COP26, mundo deve adotar ações rápidas para evitar catástrofe

Mundo

COP26: A distância entre palavras e ação

MundoPolítica

Cumprir metas de Paris custará 43 biliões em investimentos até 2050

PolíticaPortugal

Portugal assina declaração para excluir nuclear do financiamento europeu

Assine nossa Newsletter