A passos lentos, pessoas trans chegam ao mercado de trabalho formal brasileiro - Plataforma Media

A passos lentos, pessoas trans chegam ao mercado de trabalho formal brasileiro

Ainda que hoje possam contar com plataformas virtuais e programas de capacitação para ganhar espaço no mercado de trabalho, pessoas trans continuam a enfrentar o preconceito – ou correr risco de vida – só por serem quem são no Brasil.

A estimativa média de vida delas é de apenas 35 anos e, no mais recente relatório da Antra (Associação Nacional de Travestis e Transsexuais), 88% dos entrevistados acredita que “as empresas NÃO estão preparadas para contratar ou garantir a permanência de pessoas trans em seus quadros”.

Há um longo estigma pela frente a ser quebrado em uma sociedade que a passos lentos contrata pessoas trans para vagas formais. 

Técnica em gestão administrativa, a paulistana Rochelly Rangel, de 34 anos, recebeu várias rejeições por ser mulher trans.   

“Em 2004, cheguei na última etapa do processo seletivo de uma multinacional. Restamos eu e um garoto branco cis, que foi escolhido. Ouvi uma conversa entre uma funcionária do RH e um gestor, que disse: ‘Não dá para contratar um travesti’. Depois de situações como essa, com muita resistência, entrei na prostituição”, conta.

Após trabalhar como cabeleireira e se mudar para o Rio de Janeiro, participou do Transgarçonne – um projeto de extensão do curso de Gastronomia da UFRJ – voltado para a capacitação de pessoas trans e travestis no ramo de bares e restaurantes.  

Depois de 15 anos em busca de uma vaga com carteira assinada, Rochelly conseguiu não um, mas dois empregos.

“Trabalho em um bar de mulheres, onde sou atendente. Sei a luta que foi chegar até aqui, precisamos de um mercado formal de trabalho não heteronormativo”, afirma a funcionária do Boleia Bar, que em breve assumirá também outra função.    

– Oportunidades –

Idealizador do Transgarçonne, Renato Monteiro é professor de gastronomia e homem trans.

“Fiz minha carreira antes da transição, não sei se teria conseguido se tivesse passado por esse processo antes. Meu exemplo é uma exceção”, conta.  

Dando prioridade a alunos de fora da universidade, o curso ensina sobre hospitalidade, alimentos e bebidas.   

“Em 2019, recebemos os primeiros alunos. Um deles me contou que o pai passou a respeitá-lo depois de ser aceito na UFRJ. Neste ano teremos duas turmas on-line para sensibilizar proprietários e gestores para a questão”, conta Monteiro.

O eixo Rio-São Paulo concentra projetos sociais e plataformas para a empregabilidade trans.

No Rio, o Capacitrans já formou mais de 150 pessoas em workshops de moda, imagem e empreendedorismo.  

“Temos mais de 20 instituições apoiadoras e 26 casos de sucesso. Comecei com um salão de beleza, me capacitei como empreendedora e fundei o projeto”, conta a travesti Andréa Brazil, de 48 anos, estilista da marca que leva seu nome e coordenadora do Capacitrans.    

Baseada em São Paulo, a TransEmpregos é a maior plataforma brasileira para pessoas trans, com 707 contratadas no último ano. 

Desenvolvido pela empresária e advogada travesti Márcia Rocha com outros apoiadores, o projeto permite o cadastro de currículos para vagas em todo o país, além da inscrição em cursos e atividades. 

“Temos mais de 24 mil currículos e mil empresas parceiras. Há um crescimento exponencial de empresas que contratam pessoas trans, hoje com mais de 100 multinacionais com vagas disponíveis”, diz Rocha.

-  A passos lentos –  

Apesar dos resultados positivos, a advogada reconhece que há grandes desafios.  

“Antes pensavam que transsexuais só podiam ser prostitutas. O maior desafio foi romper com esse preconceito no meio empresarial”, acrescenta.

Para isso, ela se associou ao Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+, que reúne mais de 100 empresas signatárias do compromisso com a diversidade, com sede em São Paulo. 

Há apenas três anos, pessoas transexuais e travestis conquistaram o direito de retificar o nome sem autorização judicial ou apresentação de laudos de acompanhamento psicológico e hormonioterapia.

Agora, podem ir diretamente ao cartório, se auto identificar como pessoa trans e alterar o gênero e o nome. 

“Na época de procurar emprego, eu tomava hormônios e me mostrava mais como mulher, mas não tinha mudado o nome. Fiz mais de 200 entrevistas, mas quando colocavam meu RG e currículo na mesa me diziam que a vaga já estava preenchida”, relata Rochelly, que só conseguiu retificar o nome há dois anos.   

O médico Jonas Manoel, de 37 anos, também enfrentou preconceito ao iniciar sua transição.  

“Passei dois anos sem saber como explicar no trabalho que a forma como me tratavam, que antes já não parecia adequada, agora era completamente inviável”, afirma.   

Ele precisou do suporte de uma equipe de advogados LGBTQIAP+ para recorrer ao Conselho Regional de Medicina e fazer valer seu direito de uso do nome social.   

“No primeiro momento ao procurar o conselho não tive o acolhimento esperado. Após o suporte jurídico, consegui minha nova identificação. Tive medo da reação no trabalho, mas logo que cheguei com meu carimbo novo providenciaram a troca do nome no sistema”, relata.   

E o preconceito se reflete na violência. Desde 2008, o Brasil é o país onde mais se mata pessoas trans no mundo, segundo a ONG Trangender Europe.  

“Se somos 1% da população brasileira, desse total menos de 1% chega às universidades. Nós somos existência, quem não nos aceita é que é resistência, porque querem que sejamos invisíveis”, argumenta Brazil.    

Assine nossa Newsletter