Covid-19 não explica metade do excesso de mortos em Portugal na última semana - Plataforma Media

Covid-19 não explica metade do excesso de mortos em Portugal na última semana

Mortalidade por Covid-19 disparou, mas excesso de mortalidade subiu ainda mais, numa altura em que muitos dizem que os serviços de saúde entraram em rutura.

Numa altura em que a pandemia mata cada vez mais portugueses, atingindo números nunca vistos nem na primeira nem na segunda vaga, as mortes por Covid-19 apenas explicam metade das mortes em excesso da última semana.

Só para os sete dias de 11 a 17 de janeiro, o Sistema de Informação dos Certificados de Óbito (SICO) da Direção-Geral da Saúde (DGS) refere, explicitamente, um excesso de mortalidade de 2.151 pessoas – um indicador que se calcula subtraindo a mortalidade esperada para um ano considerado ‘normal’ tendo em conta a média de anos anteriores – aos óbitos efetivamente contados nesse período de tempo.

Nesses mesmos sete dias, pelas contas da TSF, os boletins da DGS sobre a pandemia revelam que faleceram 1.058 pessoas, ou seja, cerca de metade do excesso de mortalidade.

A presidente da Associação Portuguesa de Epidemiologia não fica surpreendida com a grande diferença entre o excesso de mortalidade e o número de óbitos por Covid-19. Elisabete Ramos recorda à TSF que já “vimos isto nos números da mortalidade de 2020”, com um “excesso de mortalidade em que nem tudo se explicava pela Covid-19, sendo muito provável que nestas primeiras semanas de 2021 a tendência continue” – agora com números ainda mais elevados.

Leia mais em TSF

Artigos relacionados
PortugalSociedade

Um ano de Covid-19: Quase 28 mil profissionais de saúde infetados e 19 morreram

PolíticaPortugal

"É fundamental um plano de desconfinamento" para a retoma da economia

PolíticaPortugal

Portugal vai comprar cerca de 38 milhões de vacinas

PolíticaPortugal

Mais de metade da população considera que os políticos não devem ter prioridade na vacinação

Assine nossa Newsletter