Setor das Pescas em Angola concede licença a milhares de embarcações - Plataforma Media

Setor das Pescas em Angola concede licença a milhares de embarcações

O setor das pescas licenciou cerca de seis mil embarcações, incluindo artesanais entre 2019 e 2020 e estima-se ter criado milhares de empregos entre os pescadores organizados em cooperativas dos quais 80 por cento são mulheres intermediárias e processadoras do pescado.

Os dados foram avançados pela secretária de Estado para as Pescas, Esperança da Costa, aquando da abertura do Conselho de Gestão Integrada Dos Recursos Aquáticos, que encerrou na quarta-feira, sob o lema: pelo desenvolvimento sustentável promovamos uma pesca responsável.

Adiantou ainda que a pescaria industrializada possui um número de embarcações controladas, sendo que quase 50 por cento são pequenas embarcações que usam a arte de pesca de cerco. A retirada da Lagosta e a Gamba costeira da lista dos produtos proibidos a exportação foi uma das recomendações do Conselho de Gestão Integrada Dos Recursos Aquáticos.

As áreas potenciais para o desenvolvimento da aquicultura devem ser mapeadas para facilitar a criação de mecanismos e o surgimento da cadeia de valores no referido subsector desde o produtor primário até ao consumidor final, essa outra recomendação do Conselho.

O evento, encerrado pela secretária de Estado para as Pescas, Esperança da Costa, recomendou igualmente a promoção e a realização de estudos das espécies nativas para desenvolvimento da actividade aquícola, assim como introduzir novas tecnologias de produção, extracção e processamento de sal, de modo a aumentar a produção e melhorar a sua qualidade visando a diminuição das importações e aumento de exportações deste produto no âmbito do PRODESI.

Leia mais em Jornal de Angola

Artigos relacionados
AngolaEconomia

Presidente angolano convida investidores a examinarem oportunidades de negócios

AngolaEconomia

Taxa de emprego subiu 1,3 por cento no trimestre deste ano

AngolaSociedade

Combustível de navio espanhol afundado pode causar catástrofe ambiental

AngolaSociedade

Estado formula estratégia de aproveitamento do mar

Assine nossa Newsletter