Início » Vice-presidente eleita de Taiwan visita EUA por “motivos pessoais”

Vice-presidente eleita de Taiwan visita EUA por “motivos pessoais”

A vice-presidente eleita de Taiwan, Hsiao Bi-khim, vai viajar por “motivos pessoais” para os EUA a dois meses da tomada de posse da nova administração, disse ontem Justin Wu, porta-voz do Partido Democrático Progresista (PDP).

A antiga embaixadora de facto de Taiwan nos Estados Unidos até novembro do ano passado vai deslocar-se aquele país para finalizar a sua mudança e visitar amigos, estando de fora “motivos diplomáticos”, segundo a televisão local TVBS, citando Wu.

A mesma fonte não avançou mais pormenores sobre as datas ou o itinerário da viagem, tal como o gabinete presidencial e o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Taiwan.

O jornal norte-americano Wall Street Journal informou que Hsiao Bi-khim vai estar em Washington esta semana, numa deslocação discreta e que inclui também várias reuniões com responsáveis do Governo dos EUA.

Segundo fontes conhecedoras do processo citadas pelo diário, Hsiao vai debater a agenda da próxima Presidência com membros da Admnistração de Joe Biden e visitará depois “várias capitais europeias” a “título privado”.

As autoridades norte-americanas e taiwanesas estão a tentar “manter a viagem de Hsiao em segredo”, segundo o jornal, notando como justificação o receio de reações da China.

A última visita da Presidente cessante de Taiwan, Tsai Ing-wen, aos Estados Unidos, em abril do ano passado, provocou uma forte reação de Pequim, que reagiu com a realização de numerosos exercícios militares junto da ilha.

o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, advertiu que “aqueles que apoiam a ‘independência’ de Taiwan acabarão por se queimar a brincar com o fogo” (Photo by Pedro PARDO / AFP)

A questão de Taiwan é uma das maiores fontes de conflito entre a China e os Estados Unidos, sobretudo porque Washington é o principal fornecedor de armas de Taiwan e seria o seu maior aliado em caso de conflito militar com o gigante asiático.

Taiwan, para onde o exército nacionalista chinês se retirou depois de ter sido derrotado pelas tropas comunistas na guerra civil, é governada de forma autónoma desde 1949, apesar de a China reivindicar a soberania da ilha.

No passado dia 07, o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, advertiu que “aqueles que apoiam a ‘independência’ de Taiwan acabarão por se queimar a brincar com o fogo”, reiterando que a ilha “faz parte da China”.

“Aqueles que apoiam a ‘independência’ de Taiwan acabarão queimados por brincarem com o fogo. O princípio de uma só China é de consenso geral da comunidade internacional e não pode ser tolerado apoiar a sua ‘independência’ porque isso é desafiar a soberania da China”, argumentou Wang durante uma conferência de imprensa à margem da Assembleia Popular Nacional (APN) da China, que terminou na segunda-feira.

Wang reiterou que Pequim não vai permitir que Taiwan se separe e que o resultado das eleições no território “não altera minimamente o facto básico de que Taiwan é parte da China, nem altera a tendência histórica do retorno de Taiwan”.

Durante a abertura da ANP, o primeiro-ministro chinês, Li Qiang, referiu que a China “se oporá resolutamente” a “qualquer atividade separatista que vise a ‘independência de Taiwan’”, assim como à “interferência de forças externas” na ilha.

Taipei insistiu que não está “subordinada” à China, depois de Li ter afirmado que Pequim continuará a defender a “grande causa firme e imutável da reunificação” com a ilha.

Plataforma com Lusa

Contact Us

Generalist media, focusing on the relationship between Portuguese-speaking countries and China.

Plataforma Studio

Newsletter

Subscribe Plataforma Newsletter to keep up with everything!