Início Macau Ex-presidente da Suncity, Alvin Chau, escreve carta aberta onde refuta acusações

Ex-presidente da Suncity, Alvin Chau, escreve carta aberta onde refuta acusações

O ex-presidente da Suncity, Alvin Chau, escreve uma carta aberta em que refuta as acusações de liderar uma organização criminosa

Viviana Chan

Segundo a publicação de notícias de jogo, Inside Asian Gaming, nessa carta Chau refuta as acusações que lhe foram imputadas num processo recente. Chau foi condenado a 18 anos de prisão por fraude, associação criminosa, exploração de atividades jogo ilegal, entre outros crimes relacionados com a empresa de promoção de jogo VIP Suncity.

Chau afirmou relativamente às acusações de organização criminosa que durante todo o processo de julgamento, as provas exibidas não eram suficientes para afirmar que este dava ordens para que outros co-réus se envolvessem em atividades ilícitas.

‘Não há testemunhas ou documentos provando que qualquer réu, incluindo eu próprio, tenha recebido ganhos ilegais.”

“Todos os funcionários foram contratados legalmente. Com base nos registos telefónicos de vários anos e em todos os registos de reuniões, nunca discutimos qualquer negócio ilícito. Não houve contacto ou interação pessoal entre os funcionários, nenhuma relação além da de empregador e empregado. Eles trabalharam como empregados sem a minha orientação, nunca receberam benefícios criminosos e não tinham motivos criminosos. Como isso poderia constituir crimes relacionados com a máfia? Da sentença inicial de 15 anos à redução para 12 anos e meio em apelação, sempre acreditamos que Macau é uma sociedade regida pelo Estado de Direito,’ Chau indica na carta.

‘Nunca nos preocupamos de que pessoas inocentes fossem presas por acusações falsas. Eles foram condenados a mais de uma década, causando grande angústia a eles e as suas famílias. Os crimes comuns relacionados a casinos, que geralmente não envolvem violência, resultam em penas mais curtas, então por que as acusações neste caso são tão graves? Nenhum especialista jurídico consegue explicar isso. ”

Chau abordou também alegações relacionadas a atividades relacionadas a jogos de fortuna e azar.

“Tenho registos de comunicação no meu telefone cobrindo quase uma década, e não há discussão sobre como organizar apostas, gerir contas, discutir fluxos de fundos ou distribuição de lucros. Não há sinal de que alguém me tenha proporcionado benefícios, e nunca toquei em dinheiro”, descreve Chau.

Chau descreve também que em termos de fluxo de caixa naquela época os negócios da Suncity relacionados com jogo representavam menos de 1-2 por cento do fluxo de caixa da empresa.

“Além de rastrear alguns créditos relacionados a pessoas relevantes, raramente me envolvi. Como é que isso pode ser considerado administração?”

Chau menciona também ter nascido e crescido “um pequeno porto de pesca” referindo-se a Macau, indicando que “mais tarde, este pequeno porto de pesca tornou-se um centro mundial de turismo e lazer”.

“Eu era apenas alguém desconhecido em Macau, mas após o retorno de Macau à pátria, graças às políticas centrais, alcancei o que sou hoje. Neste pequeno território de Macau, amo a minha família, amigos e funcionários. Macau é nossa raiz, aqui sentimos a bondade dos macaenses, não há ódio aqui, quase não há crimes violentos, é um lugar muito seguro, onde todos vivem e trabalham em paz, valorizando a sensibilidade e a honestidade,” acrescentou

“No começo, éramos simplesmente uma instituição de salas VIP orientada para o lucro, mas posteriormente, com o encorajamento e orientação de diversos setores da sociedade, do governo de Macau naquela época e do Escritório de Ligação do Governo Central na RAEM, os nossos valores mudaram. Introduzimos gestão profissional, estabelecemos uma missão empresarial, valores de marca e responsabilidade social.”

O empresário acrescenta que a Suncity era “uma representação da identidade macaense”.

“O nosso objetivo mudou para a proteção dos interesses dos clientes, o desenvolvimento da indústria e dos talentos locais. Assim, ao longo de quatorze anos, progredimos passo a passo. Acredito que a maioria dos macaenses sabe que tipo de empresa somos.”

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!