Necessidade Dupla - Plataforma Media

Necessidade Dupla

Só de si baixos, os rendimentos dos trabalhadores não residentes fugiram com a chegada do novo surto epidémico. Para agravar a situação, as medidas antipandémicas, sempre com sentido de urgência, não permitiram preparar reservas para enfrentar este período, sendo que muitos já não recebem salário há mais de um mês.

A situação não é de hoje, e também não veio com a pandemia. Este vírus tem nome, existe desde os primórdios da Humanidade, e prolifera no contexto de confinamento. O comportamento discriminatório aos trabalhadores não residentes é preocupante, principalmente numa cidade que precisa e procura mais. Por um lado, entra numa década crucial para o desenvolvimento e diversificação da sua economia. Nada disso será executado sem a contribuição de talentos estrangeiros, o que é até reconhecido pelo Governo. Por outro, aqueles menos qualificados, em abundância em Macau, são tão necessários quanto os primeiros, por razões óbvias, pois permitem reduzir os custos de operação a qualquer tipo de empresa e até às famílias. A forma como são tratados, faça chuva ou faça sol, não dá boa imagem a Macau, e torna-a menos convidativa a talentos, e menos inclusiva.

Leia também: Mais um estabelecimento a fechar portas, e uma comunidade a pedir ajuda

Lembrar, por exemplo, que orgulhosamente a DSAL comunicou que disponibilizou milhares de empregos – retirados a TNR – para que residentes locais pudessem ser priorizados durante este período difícil. Contudo, milhares desses empregos continuam por ocupar, pois não são trabalhos tradicionalmente escolhidos por detentores de BIR, e a remuneração é abaixo das expectativas. Períodos de aperto afetam todos, mas é ciclíco que os mais afetados são sempre aqueles que já menos tinham. É de reconhecer a rapidez dos trabalhos encetados pelo Governo na construção de pacotes de auxílio financeiro, mas estes têm de ser mais inclusivos, garantindo que todos, sem exceção, possam sair beneficiados. Macau precisa destes trabalhadores, e estes trabalhadores precisam de Macau.

Esta dupla necessidade não pode servir apenas um.

*Diretor-Executivo do PLATAFORMA

Related posts
Editorial

Governo de fichas

Editorial

Ação-Reação

Editorial

Macau regional

Editorial

Poder de decisão não é de Macau

Assine nossa Newsletter