Democracia na RAE é uma obra em curso - Plataforma Media

Democracia na RAE é uma obra em curso

O retrato e a demonização do recém-eleito Chefe do Executivo de Hong Kong, John Lee Ka-chiu, mostra o crescente fosso sociopolítico entre o ocidente e a China sobre o significado e a prática da democracia.

A Região Administrativa Especial de Hong Kong, cuja governação se baseia no princípio “Um País, Dois Sistemas”, foi reduzida a uma “zona de guerra de palavras” sobre a legitimidade do novo Executivo.

Desde o seu regresso à pátria há 25 anos, a RAE de Hong Kong tem funcionado com elegância e capacidade, combinando o melhor do oriente e do ocidente. As potências ocidentais lideradas pelos EUA, no entanto, têm usado a democracia ao estilo ocidental para minar a influência do Governo Central em Hong Kong.

Lee Ka-chiu não é o primeiro a estar na vanguarda da batalha ideológica entre a China e o ocidente, mas está agora a assistir à mais amarga disputa antes de tomar formalmente posse. Felizmente, Hong Kong mantém-se forte apesar da farsa política orquestrada pelos Estados Unidos, que inclui a “Cimeira para a Democracia”, uma
convergência ilusória das democracias de estilo ocidental e dos seus estados vassalos, significando mais uma tentativa de impor tal forma de “democracia” a outros lugares
e demonizar outras formas de democracia.

Estas farsas políticas, que também incluem o relatório anual da União Europeia de Hong Kong, estão a ser jogadas numa altura em que a democracia ao estilo ocidental enfrenta o seu mais baixo índice de aprovação e o teste mais difícil. É uma forma de “democracia” que tenta retirar o presidente eleito de um país desde o primeiro dia, e proíbe o seu anterior presidente de todas as principais plataformas de comunicação social. No estilo democrático dos EUA, 30 por cento dos eleitores recusam-se a reconhecer o Presidente em exercício dos EUA Joe Biden como seu líder, a corrupção é rebatizada de “lobbying”, e “portas giratórias” criaram uma casta de elite política multimilionária.

E só na democracia ao estilo dos EUA é que se pode pensar em tanques cheios de políticos não eleitos, financiados pelo complexo militar-industrial (o estado profundo), que elaboram a política externa do país. É um sistema político em que a tortura é legal, e o Governo faz a guerra sem o consentimento do povo.

Porque é que os EUA querem exportar um sistema tão falhado, que semearia divisões e facilitaria o controlo autocrático sem controlos e equilíbrios, um sistema que não serve o povo?

A democracia ao estilo ocidental tornou-se um concurso de popularidade superficial no qual quem tiver mais financiamento e maior exposição “ganha”. É um sistema em que os políticos dizem ao público o que querem ouvir, mas uma vez eleitos, não cumprem uma única promessa. É um círculo vicioso de eleição de um líder e de arrependimento.

Cria uma ilusão de livre escolha entre dois partidos, que acabam por servir as empresas e os financiadores das suas campanhas, e não as pessoas que realmente votam neles.

Os políticos ocidentais passam grande parte do seu tempo a angariar fundos em vez de fazerem o trabalho que deveriam, e trabalham uns contra os outros em vez de juntos para o bem comum.

Um sistema democrático deveria basear-se na história, cultura e fase de desenvolvimento económico de um país, no nível de maturidade da sua população, e o país deveria ter total soberania, sem ingerência estrangeira, sem grande influência monetária, uma comunicação social neutra e justa, e um sistema de votação totalmente transparente.

O ocidente ainda se debate e está longe de ser a “utopia democrática” que de outra forma finge ser. A democracia deriva de um termo grego e significa “poder para o povo”, mas o ocidente ainda não deu “poder ao povo”.

As tentativas desesperadas de exportar o seu modelo de “democracia” através de coerção, intromissão, mudança de regime e “revolução de cores” são atos fundamentalmente antidemocráticos.

Em última análise, a democracia é um processo de autodeterminação onde a soberania detém a primazia e deve ser respeitada acima de tudo.

Hong Kong poderia ter sido vítima de uma “revolução das cores”, apoiada pelos EUA em 2019, quando alguns radicais que afirmavam lutar pela “liberdade e democracia” estavam na realidade a agir como extremistas e secessionistas. As suas ações contrastavam fortemente com os seus slogans. Por isso é importante compreender o passado de Hong Kong a fim de avaliar objetivamente a sua situação atual e a direção que segue.

A RAE está em vias de encontrar o seu próprio modelo de democracia, com características de Hong Kong. Será um modelo de “Um País, Dois Sistemas”.

Agora que a lei de segurança nacional foi promulgada, a intromissão estrangeira terminará, e juntamente com as reformas eleitorais em curso, terá finalmente um Conselho Legislativo que pode trabalhar para o bem da cidade, em oposição ao caos da legislatura anterior, cheia de agentes apoiados por estrangeiros, minando a verdadeira democracia.

Neste sistema, foi confiado ao Conselho Legislativo o cumprimento das promessas feitas ao povo, incluindo o fornecimento de alojamento acessível e redução das desigualdades.

A democracia é um sistema flexível baseado em indicadores-chave de desempenho e resultados, em oposição a um sistema rígido baseado em promessas vazias. Mas pessoas precisam de compreender que é um trabalho em progresso. Antes de 1997, Hong Kong nunca tinha praticado a democracia. A maturidade virá com o tempo.

No 25º aniversário do seu regresso à pátria, Hong Kong entra numa nova era de oportunidades onde se pode posicionar como ponte fundamental entre o ocidente e o continente chinês, desfrutando e personificando o melhor de ambos os mundos.

Em 2028 é provável que a China seja a maior economia do mundo, algo de que todos no país, incluindo os residentes de Hong Kong, se podem orgulhar e, claro, fazer parte. De facto, estamos a viver uma era única na história mundial.

*Analista financeiro e político suíço sediado em Hong Kong

Este artigo está disponível em: English 繁體中文

Assine nossa Newsletter