Covid-19: escolas ainda não reabriram totalmente em 23 países -

Covid-19: escolas ainda não reabriram totalmente em 23 países

Quase 147 milhões de crianças perderam mais de metade da sua escolaridade presencial nos últimos dois anos devido à pandemia e, dois anos depois, as escolas ainda não reabriram totalmente em 23 países do mundo, alerta esta quarta-feira a Unicef.

Intitulado “Are children really learning?” (“As crianças estão realmente a aprender?”), no relatório da agência das Nações Unidas para as crianças alerta-se que a perturbação que a pandemia provocou na educação agravou uma “crise educativa global que já ameaçava o futuro de milhões de crianças em todo o mundo”, segundo escreve a diretora executiva da Unicef, Catherine Russell, na introdução do documento.

Segundo a organização, o número de alunos fora da escola aumentou, pela primeira vez desde que há dados, em 5,9 milhões entre 2018 e 2020.

Com a pandemia, revelam os números da Unicef, a situação agravou-se ainda mais: na África do Sul o número de alunos fora da escola triplicou de 250.000 para 750.000 entre março de 2020 e julho 2021, enquanto no Maláui, a taxa de abandono escolar entre raparigas no ensino secundário aumentou 48%, de 6,4% para 9,5% entre 2020 e 2021.

Além disso, a organização apresenta evidências de que uma percentagem substancial de crianças não voltou à escola após a reabertura, nomeadamente na Libéria (43%), no Uganda (10%) e no Quénia (16%).

Ainda esta quarta-feira, alerta-se no relatório, as escolas continuam total ou parcialmente encerradas em 23 países, agravando o risco de mais abandono escolar.

Segundo a análise, as crianças que não frequentam escolas são as menos capazes de ler, escrever ou fazer contas básicas, e estão isoladas da rede de segurança que as escolas oferecem, o que as coloca num risco acrescido de exploração e numa vida inteira de pobreza e privação.

Numa análise de dados recolhidos entre 2017 e 2021 em 32 países e territórios de baixo e médio rendimento, a Unicef conclui que mesmo antes da pandemia era questionável se os alunos estavam realmente a aprender.

A manter-se o ritmo atual de aprendizagem, a maioria das crianças em idade escolar levaria sete anos a aprender competências de leitura fundamentais que deveriam ter sido apreendidas em dois anos, e demoraria 11 anos a aprender competências de numeracia fundamentais.

Leia mais em Diário de Notícias

Artigos relacionados
AngolaSociedade

“Caçadores de óbito”, os truques para matar a fome em Luanda à custa dos funerais

EconomiaPortugal

Apesar da pandemia, número de empresas cresceu em Portugal em 2020

ChinaSociedade

China forçada a bloqueios face a baixa taxa de vacinação entre idosos

MundoSociedade

Inverno: não vacinados podem originar novas vagas de covid-19

ChinaSociedade

Casos de covid-19 crescem em Xangai apesar do confinamento

Assine nossa Newsletter