Segredo económico para a barreira ecológica de Tianjin -

Segredo económico para a barreira ecológica de Tianjin

Quando o sol se põe e os pássaros cantam, Ma Wenmiao junta as suas ferramentas para trabalhar mais um dia na floresta ecológica em Tianjin. “Cuidado, ‘os pequenitos’ são inteligentes”.

Como trabalhador membro da Comissão Rural e Agrícola local, faz parte da responsabilidade de Ma patrulhar a floresta ao fim do dia. Parte das zonas florestais que Ma vigia praticamente não tinham vegetação, mas agora estão totalmente diferentes. Ao longo de três anos as árvores plantadas na região cresceram à vontade e agora o chão está também coberto de “pequenas criaturas”, pássaros, ratos e outros animais. Esta floresta faz parte da barreira ecológica que está a ser construída em Tianjin.

Foi em 2018 que Tianjin iniciou a construção desta barreira ecológica, uma área de 50 quilómetros a norte e sul e 15 quilómetros a este e oeste, designada como barreira entre a zona costeira e o centro urbano, num total de 746 quilómetros quadrados. Esta barreira ecológica ocupa aproximadamente o dobro do terreno do centro urbano, serve como ligação entre as zonas húmidas e serviços de água no norte e sul de Tianjin e também como fonte de água e proteção contra ventos e areias, além de oferecer um novo habitat para várias espécies.

Leia também: Tianjin testa 15 milhões e aperta restrições a três semanas das olimpíadas

“Agora em quase todas as patrulhas noturnas encontro doninhas, a quantidade de caracóis que vejo nos rios cresceu também significativamente. Quando chega a época de acasalamento, vejo espécies que nem sei identificar”, conta Ma. Estes são organismos sensíveis a alterações ambientais e por isso podem ser usados para avaliar as alterações que a zona florestal trouxe à ecologia local.

“Muitas pessoas não compreendem, acham que é um desperdício de uma grande área que podia ser usada para desenvolvimento económico”, diz Bian Weiguang, diretor do Gabinete de Tianjin para Construção de uma Barreira Ecológica, afirmando que existe um segredo para o desenvolvimento verde.

O ano passado foi confirmada a captura de carbono através dos 1,800 hectares florestais desta barreira ecológica. De acordo com Li Tian, diretor-geral da Tianjin Climate Exchange, este espaço florestal é capaz de gerar cerca de 250 mil toneladas de reservas de carbono em 20 anos, com uma receita de captura de carbono de pelo menos cinco milhões de RMB.

Após reabilitação e exploração, a área florestal sob principal controlo desta barreira ecológica atingiu os 12 487 hectares. Bian Weiguang explica: “Estima-se que estas árvores consigam atingir uma capacidade de captura de carbono de entre 150 a 200 mil toneladas, são um ‘banco verde’.”

Dados estatísticos provam que dentro deste período de três anos, a área florestal sob controlo da barreira ecológica do município de Tianjin atingiu os 12 mil hectares, com uma área de cobertura florestal de cerca de 26%. Esta reabilitação resultou e foram criadas mais de 20 grandes áreas ecológicas num total de 150 quilómetros quadrados.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
MacauSociedade

Universidade de Macau aposta na internacionalização

AngolaPolítica

UNITA diz que Tribunal Constitucional aceitou providência cautelar

AngolaSociedade

“Caçadores de óbito”, os truques para matar a fome em Luanda à custa dos funerais

AngolaSociedade

Perímetros de florestas angolanas ameaçados por madeireiros ilegais

MacauOpinião

Apresentação do desenvolvimento de espaços verdes em Macau

BrasilSociedade

Alterações climáticas colocam Amazónia em risco de se transformar em savana

BrasilSociedade

Desmatamento na Amazônia brasileira marca novo recorde para fevereiro

Assine nossa Newsletter