Embaixada São Tomé apoia familiares de recluso que morreu em Lisboa

Embaixada de São Tomé apoia familiares de recluso que morreu em Lisboa

A Embaixada de São Tomé e Príncipe em Lisboa “tem estado a acompanhar as informações sobre as ações de protestos realizadas pelos familiares” de Danijoy Pontes, que morreu no passado dia 15 no Estabelecimento Prisional.

“Esta missão diplomática tem estado a acompanhar as informações sobre as ações de protestos realizadas pelos familiares do falecido, sobretudo as que foram levadas a cabo em frente do Estabelecimento Prisional Lisboa”, referiu a embaixada são-tomense, na quinta-feira, na rede social Facebook.

“Quando a família esteve na posse de informações sobre a possível liberação do corpo, dadas pelo Instituto Nacional de Medicina Legal – INML -, com vista à realização do funeral, a embaixada concedeu imediato apoio financeiro para o referido ato fúnebre. No entanto, a libertação do corpo não se concretizou e o funeral não teve lugar”, acrescenta-se no texto.

A embaixada diz ter tomado conhecimento da morte do cidadão são-tomense Danijoy dos Santos de Sousa Pontes, de 23 anos, no dia 16 de setembro, “através da comunicação social e de algumas redes sociais”, e que, no dia seguinte, “contactou a família do falecido, a quem prestou sentidas condolências e manifestou a disponibilidade para prestar todo o apoio de que a mesma necessitasse”.

Desde então, acrescenta, a embaixada tem estado em contacto com o Estado português, tendo pedido “esclarecimentos sobre o sucedido” junto do ministério português dos Negócios Estrangeiros.

“No dia 24 de setembro corrente, chegou à embaixada a resposta do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal, contendo alguns esclarecimentos, os quais foram prontamente transmitidos à família do concidadão falecido”, refere-se no texto postado no Facebook.

Leia mais em Jornal de Notícias

Assine nossa Newsletter