Várias cidades em todo o mundo desligaram as luzes na “Hora do Planeta”

Várias cidades em todo o mundo desligaram as luzes na “Hora do Planeta”

Várias cidades em todo o mundo aderiram ao movimento “Hora do Planeta”, uma operação de mobilização contra as mudanças climáticas e pela conservação da natureza que consiste em desligar as luzes durante uma hora.

Entre as 20:30 e as 21:30 horas, dependendo dos fusos horários, locais como a Ópera de Sydney (Austrália), o Coliseu de Roma (Itália), a Praça Vermelha de Moscovo (Rússia), o Portão de Brandenburgo, em Berlim (Alemanha), o Palácio de Westminster e os ecrãs publicitários de Piccadilly Circus, em Londres (Inglaterra) ou a Torre Eiffel, em Paris (França) foram desligados.

A mobilização, que tem caráter anual, é organizada pela World Wide Fund for Nature [WWF, Fundo Mundial para a Natureza, em português] e tem como objetivo apelar à ação sobre as mudanças climáticas e o meio ambiente, tendo o intuito deste ano assentado na ligação entre a destruição da natureza e o aumento da incidência de doenças como a covid-19.

“Seja o declínio dos polinizadores, a diminuição do número de peixes nos oceanos e rios, o desaparecimento das florestas ou a perda mais geral da biodiversidade, crescem as evidências de que a natureza está em queda livre”, disse o diretor-geral da WWF, Marco Lambertini, que organiza a “Hora do Planeta” desde 2007.

Marco Lambertini acrescentou que “proteger a natureza é nossa responsabilidade moral, mas perdê-la também aumenta a nossa vulnerabilidade a pandemias, acelera a mudança climática e ameaça a nossa segurança alimentar”.

Em Singapura, os arranha-céus foram apagados, com as pessoas a assistirem ao momento na orla costeira, com outras esculturas futuristas nas imediações a serem desligadas também, o mesmo acontecendo em Hong Kong, enquanto na Tailândia o histórico centro comercial CentralWord realizou uma contagem regressiva e desligou as luzes à hora marcada.

Depois da Ásia e da Europa, será a vez de locais como o Empire State Building, em Nova Iorque (Estados Unidos da América), o Obelisco de Buenos Aires (Argentina) e o Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro (Brasil) aderirem ao movimento.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
China

Empresa alerta para perigo em Central Nuclear

Mundo

"Modo de vida de mais de três mil milhões de pessoas depende dos oceanos”

MundoPolítica

Ministros do Ambiente da UE discutem estratégia de adaptação às alterações climáticas

Macau

Conselheiro do CPU sugere um “Central Park” nos novos aterros

Assine nossa Newsletter