Vacinas armazenadas em Coimbra com acesso por estrada, ferrovia e ar

Vacinas armazenadas em Coimbra com acesso por estrada, ferrovia e ar

Foram escolhidos dois locais no concelho do Centro a partir dos quais fármacos serão distribuídos. Forças de segurança montam plano de proteção

A localização exata será mantida em segredo, por uma questão de segurança, mas será no concelho de Coimbra que serão instalados os pontos de armazenamento das vacinas contra a covid-19. Os dois locais foram escolhidos por terem acesso rápido a vias de comunicação por terra (ligação à autoestrada A1 e à linha de comboio do Norte) e ar (proximidade ao aeródromo municipal Bissaya Barreto) e por reunirem condições técnicas para guardar as vacinas.

“Há dois espaços viáveis e já selecionados”, em Coimbra, disse ao JN fonte conhecedora do plano. Coimbra foi escolhida pela sua localização central, pela qualidade dos acessos e por ter já instaladas infraestruturas que permitem armazenar as vacinas em condições de esterilização biológica e de frio exigidas.

Das seis vacinas que a Comissão Europeia negociou em nome dos estados-membros, a da Pfizer será a mais exigente do ponto de vista técnico, já que tem de ser mantida a temperaturas próximas dos 70 graus Celsius negativos. A da Moderna, que utiliza a mesma tecnologia, consegue manter-se estável a temperaturas de entre dois e oito graus Celsius, durante 30 dias.

A partir dos centros de armazenagem os fármacos serão distribuídos para todo o país. O transporte capilar, para os quatro cantos do país, ficará a cargo de empresas especializadas, como as que já fazem transporte de medicamentos. A partir de Coimbra será possível colocar as vacinas em qualquer ponto do país em poucas horas – um fator crucial para manter a integridade das que exigirem temperaturas mais baixas.

Leia mais em Jornal de Notícias

Artigos relacionados
AngolaSociedade

Mais 86 casos de Covid-19, três mortes e 105 recuperados nas últimas 24 horas em Angola

MacauMundo

Onde a pandemia nunca chegou

AngolaPolítica

Filho do empresário luso-angolano Carlos São Vicente foi constituído arguido

PolíticaPortugal

Ministro das Finanças testa positivo à Covid-19

Assine nossa Newsletter