Crime de Alcàsser aconteceu há 28 anos e causou profunda comoção em Espanha - Plataforma Media

Crime de Alcàsser aconteceu há 28 anos e causou profunda comoção em Espanha

Testes de DNA confirmaram que ossos encontrados recentemente pertencem a uma das adolescentes assassinadas no infame caso Alcàsser

Alcàsser, 13 de novembro de 1992. Três jovens foram raptadas, violadas, torturadas e assassinadas, num crime com contornos, considerados por muitos, estranhos. O evento mediático envolveu o povo espanhol na década de 1990.

Antonia Gómez, Desireé Hernández e Miriam García, adolescentes com idades entre os 14 e os 15 anos, desapareceram nos arredores de Alcàsser, localidade do município da Comunidade Valenciana, em Espanha.

As três jovens estavam a caminho da discoteca Coolor localizada na cidade vizinha de Picassent quando, de acordo com informações oficiais, a meio do caminho pediram boleia e entraram num carro Opel Corsa branco ocupado por, pelo menos, dois homens. Nunca mais voltaram para casa.

Depois de montada uma campanha de busca sem precedentes, a 27 de janeiro de 1993, três meses após o desaparecimento, dois apicultores encontraram os cadáveres das jovens num lugar conhecido como La Romana, a cerca de 50 quilómetros da cidade de Valência, perto do pântano de Tous. Os corpos, já em avançado estado de decomposição, mostravam sinais de agressão sexual e tortura.

Anos depois, o caso voltou aos holofotes com a estreia, a 14 de junho de 2019, da série da Netflix “El Caso Alcàsser”. O documentário, dividido em cinco partes, analisa o processo de investigação, as diferentes teorias que surgiram e o papel da imprensa na cobertura do episódio, que tornou-se num dos casos policiais mais mediáticos em Espanha.

Desde o primeiro momento, com o desaparecimento das jovens, estabeleceu-se uma forte concorrência entre os meios de comunicação, com o intuito de obter o máximo de detalhes sobre as adolescentes e as suas famílias. E essa exploração foi feita para lá dos limites considerados aceitáveis pelo bom senso.

Equipas de produção televisiva deslocaram-se até Alcàsser, uma localidade de apenas oito mil habitantes, para entrevistar os pais, parentes e amigos das adolescentes. O circo estava montado.

A situação atingiu tais proporções que a imprensa anunciou a descoberta dos três corpos antes mesmo de alguns membros das famílias terem sido notificados. A mãe de Miriam Garcia, por exemplo, ficou saber pela televisão que o corpo da filha tinha sido encontrado, enquanto o marido Fernando estava a tentar deligências internacionais no Reino Unido, junto da Scotland Yard.

Na verdade, Alcàsser tornou-se um estúdio de televisão ambulante em que todos falavam sem pudor sobre o estado dos corpos e as condições em que tinham sido encontrados. Imagens e depoimentos foram transmitidos vezes sem conta sem qualquer tipo de ética.

Miguel Ricart e Antonio Anglés, culpados ou bodes expiatórios?

Miguel Ricart, o único condenado no caso, teve uma pena 170 anos de prisão. Contudo, já foi libertado de forma condicional em novembro de 2013, encontrando-se em paradeiro reservado. O outro suspeito de envolvimento no crime, Antonio Anglés, fugiu quando ia ser preso – e continua foragido. Há testemunhas que terão visto Anglés, imagine-se, na Costa da Caparica, uma vez que a própria polícia confirmou, na altura, que tinha fugido para Portugal. Entretanto há relatos de ter sido visto na Irlanda e no Uruguai, embora existam teorias de que já possa ter morrido.

O pai de Miriam, Fernando Garcia, nunca desistiu de apurar a verdade. Durante anos, ele próprio com a ajuda de terceiros, investigou o caso até à exaustão. Chegou mesmo a afirmar publicamente que o caso seria maior do que se imaginava e que haveriam nomes importantes da sociedade e da política espanhola envolvidos na morte das três adolescentes, considerando que os homens acusados ​​seriam simplesmente bodes expiatórios.

No ano passado, depois da estreia do documentário, uma fã da série deslocou-se até La Romana e encontrou diversos pedaços de ossos, que entregou posteriormente às autoridades. Depois de analisados, o DNA dos restos mortais foi comparado ao do pai de Miriam, tendo dado positivo. Acredita-se que os pequenos fragmentos, principalmente ossos de dedos, tenham sido deixados para trás durante a investigação.

O laudo pericial de 1993 indicava que faltava a uma das meninas “parte do dedo indicador, médio, anelar e mínimo”. Agora, o enigma está completo, embora, como a Guardia Civil admitiu, o caso não se tenha aproximado de uma resolução definitiva, que continua, efectivamente, por resolver.

Leia também Um dos crimes mais macabros de Macau ocorreu há 35 anos

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
MoçambiqueSociedade

Polícia deteve suspeito de matar família de quatro pessoas em Maputo. É um sobrinho

BrasilSociedade

Um dia após tiroteio em Criciúma, novo ataque acontece em Cametá, no Pará

MacauSociedade

Criminalidade caiu 33 por cento entre Janeiro e Setembro

MacauPortugal

Portugal detém empresário a pedido de Macau

Assine nossa Newsletter