Residentes estrangeiros de Macau sem solução para deslocações à China - Plataforma Media

Residentes estrangeiros de Macau sem solução para deslocações à China

O embaixador de Portugal em Pequim disse hoje não existir ainda uma solução para permitir as deslocações à China dos residentes estrangeiros de Macau.

A questão foi abordada com as autoridades de Macau e “foi longamente falada, mas não ficou resolvida”, afirmou à Lusa José Augusto Duarte, no final de uma visita de quatro dias ao território, em que manteve encontros com as autoridades locais, incluindo o chefe do executivo, Ho Iat Seng.

O embaixador defendeu que a questão exige uma “abordagem global e equitativa, de forma a não discriminar nenhum passaporte” e lembrou que não depende apenas das autoridades de Macau, mas também do Governo central, que fechou as fronteiras aos estrangeiros em março.

É necessário encontrar a “melhor forma de respeitar amplamente as normas de segurança para evitar o contágio [da covid-19], tornando isso compatível com a circulação da comunidade”, salientou, no final de uma conferência de imprensa no consulado geral de Portugal em Macau e Hong Kong.

Em março, a China fechou as fronteiras a estrangeiros, incluindo os residentes estrangeiros de Macau, só permitindo, na altura, a entrada em casos considerados essenciais.

No mês passado, as autoridades de Pequim anunciaram que os estrangeiros com autorização de residência ainda válida podiam voltar a entrar no país, incluindo uma quarentena obrigatória de 14 dias.

A medida abrange autorizações de residência válida para três categorias: trabalho, assuntos pessoais e reagrupamento familiar.

No entanto, os estrangeiros cuja autorização de residência chinesa expirou durante a estada no exterior devem continuar a pedir novo visto nos consulados e embaixadas da República Popular da China.

As demais restrições à entrada de estrangeiros no país, anunciadas em março, continuam em vigor.

Em comunicado conjunto, os Ministérios dos Negócios Estrangeiros e da Administração de Imigração chineses afirmaram que o Governo “vai continuar a retomar o intercâmbio entre pessoas de forma ordenada e passo a passo, ao mesmo tempo que garante o controlo efetivo da pandemia” da covid-19.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 40,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Este artigo está disponível em: English 繁體中文

Artigos relacionados
CulturaMacau

Casa de ópera projetada para Macau

MacauPolítica

Ho Iat Seng avisa que reforma administrativa em Macau “precisa de tempo”

EconomiaLusofonia

Macau organiza três feiras em simultâneo com aposta no online

Assine nossa Newsletter