Aulas no ensino primário em Angola dependem da evolução epidemiológica - Plataforma Media

Aulas no ensino primário em Angola dependem da evolução epidemiológica

A ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, admitiu em Luanda um recuo na hipótese do reinício das aulas do ensino primário, previsto para o próximo dia 26 de outubro, devido ao aumento de casos positivos de Covid-19 no país

A governante, que falava no final de uma reunião virtual da Comissão Multissectorial de Prevenção e Combate à Covid-19, disse que tudo vai depender da evolução epidemiológica, nos próximos dias. “Todos os passos são dados após uma avaliação da situação epidemiológica. É o que está plasmado no Decreto Presidencial sobre a Situação de Calamidade Pública. Quando não for possível, temos que recuar. Vamos avaliar a situação epidemiológica actual”, disse.

Sílvia Lutucuta referiu que, na última semana, o país registou uma taxa de positividade superior à da semana anterior, em que a média foi de 5,6%, 5,7% de casos positivos de Covid-19. “Estamos agora com uma taxa um pouco mais elevada, que em determinados dias chega próxima aos 10%”, explicou a ministra.
“Portanto, vamos reavaliar todas condições das escolas e tomar a medida mais adequada, porque o mais importante é proteger a vida das crianças e das famílias. Se não for possível, vamos reiniciar as aulas noutra altura, porque o mais importante é proteger o bem mais precioso que é vida”, acrescentou.

Escola Portuguesa

Sobre o encerramento da Escola Portuguesa de Luanda, onde foi registado um caso positivo de Covid-19, a ministra da Saúde explicou que, quando surge um ou dois casos numa escola, faz-se uma análise de risco e são tomadas duas medidas. “Uma é fechar a sala de aula e colocar todos em quarentena. Outra, dependendo do número de contactos, é colocar a escola em quarentena”, disse.

Leia mais em Jornal de Angola

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
AngolaPolítica

Angola vai comparticipar nos custos dos testes de covid-19, entre sete e 98 euros

AngolaPolítica

Ministro do Interior angolano curado da Covid-19

AngolaSociedade

Dos mil alunos testados em Luanda quatro tiveram resultados positivos

Assine nossa Newsletter