Guerra entre Bolsonaro e Globo chega ao futebol e às novelas - Plataforma Media

Guerra entre Bolsonaro e Globo chega ao futebol e às novelas

Dois dos maiores poderes do Brasil, a Presidência da República e o gigante da comunicação, estão em conflito há dois anos. Até a saída da emissora de astros como Tarcísio Meira, Glória Menezes ou Antônio Fagundes e os direitos de transmissão de jogos são usados como arma.

“Os esquemas bilionários da Globo!” e “corrupção para valer é com a família Marinho!”, exclamou Jair Bolsonaro na quinta-feira nas suas redes sociais. A ilustrar, o presidente da República anexou uma reportagem do telejornal da sua aliada TV Record, propriedade de Edir Macedo, bispo da IURD, sobre supostas ligações da família que controla o Grupo Globo a Sérgio Cabral, antigo governador do Rio de Janeiro a cumprir pena de prisão, e irregularidades na obtenção dos direitos de transmissão dos Jogos Olímpicos da cidade, em 2016.

Foi apenas o último episódio de uma guerra aberta entre dois dos maiores poderes do Brasil: o Palácio do Planalto, ocupado pelo presidente de extrema-direita Bolsonaro, e a Globo, maior e mais influente rede de comunicação do gigante sul-americano. Uma guerra que já ultrapassou os limites da política e chegou a dois dos principais produtos do canal, as telenovelas e o futebol.

Primeiro a política: no mês passado, após a prisão de Dario Messer, considerado o maior “doleiro” (negociante de dólares no mercado paralelo) do Brasil, foi noticiado pela revista Veja que, em delação à polícia, o criminoso afirmara, sem provas, que a família Marinho, dona da Globo, estava entre os seus maiores clientes.

O Jornal Nacional, principal telejornal da Globo, repercutiu o assunto, destacando não terem sido apresentadas provas e acrescentando um desmentido da própria família Marinho.

Mas nas redes sociais Bolsonaro surfou na onda da delação de Messer sem piedade: fez um cálculo, por conta própria, de quanto o “doleiro” havia passado aos Marinho – segundo ele, cerca de 1,75 mil milhões de reais.

Os bem articulados apoiantes do Governo lançaram então uma hashtag sob o nome #rachadinhadaglobo. Numa alusão à “rachadinha”, prática de desviar salários de assessores de deputados para o próprio bolso, do senador Flávio Bolsonaro, primogénito do presidente, no seu gabinete. Flávio e mais dezenas de familiares e amigos de Bolsonaro são suspeitos de se beneficiarem de um esquema milionário de desvio de dinheiro público que serviu até para compra de imóveis em dinheiro vivo.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
BrasilPolítica

Governo não gasta verba da pandemia para profissionais de saúde, hospitais e alimentos

BrasilPolítica

Globo dá até março para Luciano Huck avisar se será candidato a Presidente do Brasil em 2022

BrasilPolítica

Bolsonaro aponta ‘ataques injustificados’ pelo aumento do desmatamento no Brasil

BrasilEconomia

Reforma da OMC é “elemento-chave” para economia, diz Bolsonaro no G20

Assine nossa Newsletter