“Interesses económicos” alimentam a violência em Cabo Delgado - Plataforma Media

“Interesses económicos” alimentam a violência em Cabo Delgado

O antigo secretário-executivo da CPLP, Murade Murargy, considera que os ataques em Cabo Delgado, no Norte de Moçambique, têm, por detrás da questão religiosa, interesses económicos, para os quais o início da exploração do gás “constitui um perigo”.

“Como é que esta situação (dos ataques em Cabo Delgado) surge num momento em que são descobertas grandes reservas energéticas naquela região. Essa é a questão que se coloca. Quais são os interesses que estarão em jogo?”, questionou o embaixador, que foi também chefe da Casa Civil do Presidente moçambicano, Joaquim Chissano e secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Murargy salientou, em entrevista à Lusa, que só há duas entradas por onde pode ser feita a penetração de forças na região de Cabo Delgado, o mar e a fronteira com a Tanzânia.

“Isto começou por ter uma componente religiosa e depois transformou-se numa componente económica. Os primeiros ensaios da invasão foram feitos através das chamadas madraças (escolas islâmicas), que queriam correr com a administração da Frelimo e introduzir o islamismo, o Corão. Começou por um movimento dessa natureza”, afirmou o diplomata.

Leia mais em Jornal de Angola

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
MoçambiquePolítica

Parlamento Europeu apela a resposta à crise humanitária em Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Violação de direitos humanos aumenta em Moçambique, revela relatório de ONG

MoçambiqueSociedade

Mulher foi executada com 36 tiros em Cabo Delgado. Quem a matou?

Cabo VerdePolítica

Países mais desenvolvidos da CPLP devem ser solidários com os outros

Assine nossa Newsletter