OBSERVADORES DA UE QUEREM ESTAR EM TODAS AS FASES DA VOTAÇÃO - Plataforma Media

OBSERVADORES DA UE QUEREM ESTAR EM TODAS AS FASES DA VOTAÇÃO

 

“Estar em todas as fases do apuramento é uma pré-condição para que a União Europeia faça uma missão de observação”, defendeu a chefe da Missão de Observação Eleitoral da União Europeia (MOE-UE), a eurodeputada holandesa Judith Sargentini.

Esta afirmação contraria uma postura expressa durante a campanha eleitoral pelo Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE), que defendia que o acesso de observadores e jornalistas à contagem dos votos ao nível distrital seria proibida. Mais tarde, essa informação foi corrigida pela Comissão Nacional de Eleições (CNE), e “isso é muito importante”, segundo Judith Sargentini.

A chefe dos observadores europeus reiterou o apelo para que “as autoridades façam o seu trabalho na fiscalização e garantam eleições justas” e declinou partilhar as suas principais inquietações na véspera da votação, “porque isso será feito na declaração preliminar da missão na sexta-feira”.

A MOE-UE está em Moçambique desde 16 de setembro e inclui uma equipa central de sete pessoas, 20 observadores de curto-prazo e 20 de longo-prazo, mais 62 elementos das embaixadas europeias em Maputo, que custearam parte desta operação orçada em 2,78 milhões de dólares. Os observadores estarão em todas as 11 províncias do país e o número de mesas que acompanharão dependerá da sua velocidade e caraterísticas do local.

Até ao fim de semana, regressam a Maputo os observadores de curto-prazo e os de longo prazo permanecerão no terreno até ao dia 23. “Se se justificar, a duração da sua presença será adaptada”, afirmou a chefe de missão.

Esta é a quinta missão de observação da União Europeia em Moçambique, cujas eleições vão ser acompanhadas por 500 observadores internacionais, incluindo União Africana, Comunidade de Desenvolvimento da África Austral, Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Centro Carter, Commonwealth e Instituto Eleitoral para a Democracia Sustentável em África.

 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter