Fundo chinês alivia requisitos e espera receber candidaturas de Cabo Verde

O Fundo de Cooperação e Desenvolvimento China - Países de Língua Portuguesa (CPD Fund, sigla inglesa) espera receber candidaturas para apoiar projetos privados de Cabo Verde, graças às alterações aos requisitos de candidatura, disse hoje, na Praia, a diretora-geral, Li Na.

por Nelson Moura

O requisito de cada projeto estar orçado, no mínimo, em 20 milhões de dólares deixou de existir, referiu, e isso abre portas a candidaturas ajustadas à dimensão financeira do arquipélago. A diretora-geral do CPD Fund falava durante uma apresentação no auditório da Câmara de Comércio do Sotavento (CCS), na capital cabo-verdiana.

“Não tem sido fácil às empresas cabo-verdianas entrarem nalguns fundos que vão aparecendo, porque exigem investimento superior à nossa capacidade”, referiu Marcos Rodrigues, presidente da CCS, que ao lançar o evento. “Muitas vezes, as nossas empresas são de micro e pequena dimensão e, mesmo as médias, não têm projetos tão grandes que possam ir atrás desses fundos”, acrescentou.

A CCS tem feito “um esforço para que as instituições [financiadoras] se adaptem à realidade de Cabo Verde”, que é diferente da “de Moçambique ou Angola”, mas onde também há potencial para crescer, notou Marcos Rodrigues.

Em 10 anos e meio de atividades, o fundo já aplicou cerca de 500 milhões de euros em 10 projetos nos países língua portuguesa, a maioria no Brasil, graças à dinâmica do mercado e à dimensão dos projetos, explicou Li Na, esperando que a visita que faz até quarta-feira, à ilha de Santiago, ajude a diversificar o cenário.

“Os projetos podem ser de cinco ou 50 milhões”, não importa o valor, indicou, mas sim a sustentabilidade, reiterou, perante perguntas de empresários. Num cenário típico, o fundo entra num projeto através da compra de ações ou financiamento, com uma quota até 20 por cento, com saída após cinco anos, esperando que nesse período a iniciativa se solidifique e se torne sustentável.

A diretora-geral do CPD Fund referiu que os parâmetros são ajustados caso a caso e que o impacto social é tido em consideração: as oito áreas prioritárias de investimento são infraestruturas, recursos minerais, capacidade produtiva, melhoria dos meios de subsistência, economia marítima, economia digital, desenvolvimento ‘verde’ e redução da pobreza.

Antigo Chefe do executivo de Macau, Chui Sai On, inaugura sede do Fundo de Desenvolvimento para a Cooperação China-Países de língua Portuguesa em Macau em 2017

O fundo “segue uma lógica comercial”, ou seja, não é uma ajuda pública da China, detalhou. Por outro lado, aos projetos cabo-verdianos podem corresponder empresas chinesas interessadas na internacionalização, acrescentou.

Durante a estadia em Cabo Verde, a comitiva chinesa vai reunir-se com diversos departamentos e entidades governamentais, incluindo a Direção-Geral da Cooperação Económica e Desenvolvimento (do Ministério dos Negócios Estrangeiros), a Direção Nacional da Indústria, Comércio e Energia, a Cabo Verde TradeInvest, Ministério do Mar, Ministério do Turismo e Transportes, e Banco de Cabo Verde.

Estão também previstas reuniões com empresários da ilha de Santiago e com membros de empresas públicas que fazem parte da lista de privatizações do país, como a Electra (elétrica estatal) e Cabo Verde Telecom.

O CPD Fund tem ainda na agenda uma visita ao parque tecnológico, na Praia, que o Governo conta colocar em funcionamento este ano para impulsionar o setor da economia digital.

O fundo apresenta-se como uma instituição financeira “com um capital de mil milhões de dólares” e “um papel crucial como financiador do desenvolvimento económico em vários países”.

Plataforma com Lusa

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!