Polícia Federal vê crimes de Bolsonaro em associar HIV à Covid e quer depoimento do Presidente - Plataforma Media

Polícia Federal vê crimes de Bolsonaro em associar HIV à Covid e quer depoimento do Presidente

A Polícia Federal considerou que o presidente Jair Bolsonaro cometeu crimes ao fazer uma associação –sem provas e falsamente– entre a vacinação contra Covid-19 e o suposto desenvolvimento da Aids, pediu a prorrogação do inquérito que investiga o caso ao Supremo Tribunal Federal (STF) e quer tomar o depoimento do chefe do Executivo.

Em manifestação encaminhada no final da tarde desta quarta-feira ao STF, a delegada da PF Lorena Lima Nascimento entendeu que Bolsonaro encorajou o descumprimento da medida sanitária que obrigava o uso de máscaras, delito de incitação ao crime, e ainda provocou alarme a terceiros de um perigo inexistente, o que seria uma contravenção penal — outro delito de menor potencial ofensivo.

Leia também: Moraes assume presidência do TSE em meio a tensão com Bolsonaro e ataque às urnas

A PF pede que o ministro do Supremo Alexandre de Moraes, relator do inquérito, autorize a corporação a indiciar Bolsonaro e outros envolvidos no caso.

Em uma transmissão pelas redes sociais em outubro do ano passado, o presidente disse que relatórios do governo do Reino Unido teriam mostrado que pessoas totalmente vacinadas contra Covid teriam desenvolvido Aids.

Leia mais em: ISTOÉ
Assine nossa Newsletter