Mato Grosso enriquece à conta da China, fé e Bolsonaro - Plataforma Media

Mato Grosso enriquece à conta da China, fé e Bolsonaro

Estado brasileiro enriquece, mas deixa rasto de destruição ambiental

Rodrigo Pozzobon sorri como se não conseguisse acreditar completamente em sua boa sorte. É o sorriso dentuço e atordoado de um homem que acaba de encontrar um tesouro.

De certa forma, ele o fez. Mais de 1.000 km a oeste dos grandes estados costeiros do Brasil –e mais perto, em linha reta, do Oceano Pacífico do que do Rio de Janeiro–, o agricultor está desfrutando de um boom que atraiu pouca atenção entre seus concidadãos e menos ainda no mundo mais amplo. Pozzobon, 35, é um dos reis da soja no Brasil.

Calçando mocassins de camurça e vestindo uma camiseta alinhada, ele passaria facilmente por integrante da turma da Faria Lima –a elite de São Paulo, que vive, trabalha e se diverte em torno do distrito financeiro da cidade.

Mas Pozzobon nasceu e se criou no estado de Mato Groso, no extremo oeste do Brasil, e tem raízes profundas por lá. Seu pai trabalhava a terra para uma cooperativa na década de 1980, antes de estabelecer uma fazenda própria. Hoje, Pozzobon filho tem duas fazendas e duas casas. São Paulo só lhe é útil para ocasionais viagens de fim de semana.

Leia mais em Folha de S.Paulo

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
BrasilSociedade

'Chuva negra’, o fenómeno que pode atingir São Paulo este fim de semana

BrasilPolítica

Avião de Bolsonaro falha aterragem devido a fumo de queimadas no Pantanal

BrasilSociedade

Senado brasileiro cria comissão para acompanhar incêndios no Pantanal

Assine nossa Newsletter