Chefe da Huawei pede “política de abertura” à nova administração dos EUA

Chefe da Huawei pede “política de abertura” à nova administração dos EUA

O fundador do grupo de telecomunicações chinês Huawei, alvo de sanções dos Estados Unidos, pediu hoje ao novo Governo norte-americano “uma política de abertura” e reafirmou “a capacidade de sobrevivência” da empresa

A Huawei foi colocada numa “lista negra” de entidades do Departamento do Comércio dos EUA pela administração do antigo Presidente Donald Trump, impedindo o grupo de adquirir tecnologia norte-americana necessária para telemóveis e infraestruturas de telecomunicações.

“Esperamos que a nova administração tenha [em relação à Huawei] uma política de abertura que seja benéfica” para os Estados Unidos, disse Ren Zhengfei, que fundou a empresa em 1987.

Presente em 170 países e com 194 mil funcionários, a Huawei é hoje o primeiro caso de sucesso global da China, estando no centro da rivalidade sino-americana em torno do comércio e tecnologia.

A desconfiança sobre a empresa surgiu em parte do passado militar de Ren Zhengfei, filiado no Partido Comunista Chinês, o que serviu para alimentar as suspeitas de uma alegada influência do regime no grupo.

Apesar das sanções norte-americanas, o fundador da Huawei disse “esperar poder comprar ainda grandes volumes de material, componentes e equipamentos” aos EUA.

Ren indicou acreditar que “a capacidade de sobrevivência da Huawei aumentou” apesar da pressão de Washington.

A pressão de Washington pesou sobre o grupo chinês no ano passado, com a Huawei a registar uma queda de 22% nas vendas globais de telemóveis, indicou a empresa de pesquisas Canalys.

Devido às sanções impostas por Washington, a Huawei perdeu o acesso às atualizações para o Android, sistema operacional do Google, que é dominante. A empresa perdeu também acesso a ‘chips’ essenciais no fabrico de telemóveis.

A empresa também enfrenta uma pressão crescente no desenvolvimento de infraestruturas para as redes de quinta geração (5G), um novo padrão de tecnologias móveis criado para revolucionar a Internet e cuja implantação está a avançar em vários países.

A administração Trump insistiu que os serviços secretos chineses podiam usar os equipamentos da Huawei para monitorizar as comunicações e o tráfego de dados de outros países e insistiu com nações aliadas para que excluíssem a empresa chinesa.

Artigos relacionados
ChinaEconomia

Pequim apela ao fim da guerra comercial e à reposição do que Trump “destruiu”

BrasilChina

Huawei mostra tecnologia 5G

China

China estuda limitar exportação de terras raras para EUA

ChinaEntrevista

China quer “cooperação” em vez de “confronto” com EUA

Assine nossa Newsletter