Nyusi está na Tanzânia para discutir violência armada em Cabo Delgado - Plataforma Media

Nyusi está na Tanzânia para discutir violência armada em Cabo Delgado

O chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, efetua, a partir de hoje, uma visita de trabalho à Tanzânia e a violência armada no Norte de Moçambique é o principal tema, indica a Presidência da República em comunicado.

Durante a visita, Filipe Nyusi vai reunir-se com o seu homólogo da Tanzânia, John Magufuli, sendo o “principal tema de trabalho a conjugação de esforços para fazer face, com eficácia, ao fenómeno do terrorismo que tem afetado os dois países, com impactos na região”, refere-se no comunicado da Presidência moçambicana.

“Debruçar-se-ão igualmente sobre matérias de interesse mútuo, visando impulsionar a cooperação a todos níveis e domínios, para o bem-estar dos respetivos povos”, acrescenta-se no comunicado, avançando-se ainda que a visita surge a convite de Presidente da Tanzânia.

Na sua deslocação à Tanzânia, Filipe Nyusi estará acompanhado pelo comandante-geral da Polícia da República de Moçambique, Bernardino Rafael, e pelo major-general Eugénio Mussa, comandante da zona operacional Norte.

Cabo Delgado, uma das duas províncias moçambicanas que fazem fronteira com a Tanzânia, está sob ataque desde outubro de 2017 por insurgentes, classificados desde o início do ano pelas autoridades moçambicanas e internacionais como ameaça terrorista.

Em novembro, Moçambique e Tanzânia assinaram um acordo para troca de informações sobre as incursões de grupos armados.

“O acordo prevê que nós trabalhemos em conjunto no sentido de controlarmos a fronteira do Rovuma, trabalhando com as populações para que elas denunciem a possível movimentação dos terroristas”, disse, na altura, o comandante-geral da Polícia da República de Moçambique (PRM), momentos após a assinatura do documento na Tanzânia.

A violência armada em Cabo Delgado, onde se desenvolve o maior investimento multinacional privado de África, para a exploração de gás natural, está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil deslocados, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

Algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico desde 2019.

A Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) vai reunir-se este mês para debater a situação de segurança na região.

Artigos relacionados
MoçambiquePolítica

Augusto Santos Silva em missão da UE até quinta-feira em Maputo

MoçambiqueSociedade

Adiada cimeira regional sobre Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Polícia resgatou com meios aéreos 21 pessoas raptadas por terroristas de Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Conflito em Cabo Delgado pode "engolir" toda a África Austral

Assine nossa Newsletter