Papa autoriza mulheres a dar comunhão mas não abre porta ao sacerdócio - Plataforma Media

Papa autoriza mulheres a dar comunhão mas não abre porta ao sacerdócio

O Papa Francisco mudou o Código de Direito Canónico autorizando as mulheres leigas a ler a palavra de Deus, a ajudar no altar durante as missas e a distribuir a comunhão, deixando de fora a possibilidade do sacerdócio.

O Papa formalizou assim algo que já acontecia na prática. Neste “motu proprio” é revisto o documento de São Paulo VI “Ministeria quedam” (1972), que só permitia aos homens receber os ministérios do Leitorado e do Acólito. O leitor é responsável pela leitura da Palavra de Deus nas cerimónias, enquanto o acólito auxilia o diácono e o sacerdote no altar e também pode distribuir a comunhão, entre outras funções.

Embora as mulheres já desempenhem esses ministérios em lugares onde faltam sacerdotes, na última assembleia do Sínodo dos Bispos sobre a Amazónia foi aprovado um ponto para sua institucionalização.

“Por estas razões, pareceu oportuno estabelecer que instituições como Leitores ou Acólitos podem ser não só homens, mas também mulheres, nos quais, através do discernimento dos pastores e após uma preparação adequada, a Igreja reconhece a vontade firme de servir com fidelidade a Deus e ao povo cristã “, escreveu o Papa na carta ao Prefeito da Congregação da Fé, o espanhol Luis Ladaria.

Leia mais em Jornal de Notícias

Artigos relacionados
PortugalReligião

Papa Francisco recebe hoje em audiência Conferência Episcopal Portuguesa

Sociedade

Papa não realizará as principais liturgias de final do ano por "dor ciática"

MundoSociedade

Papa Francisco anuncia ano de reflexão dedicado às famílias

BrasilMundo

Em mensagem de Natal, papa pede boa-nova para os pobres e cita santo brasileiro

Assine nossa Newsletter