General Electric abandona construção de centrais a carvão

General Electric abandona construção de centrais a carvão

O conglomerado industrial americano General Electric anunciou nesta segunda-feira que irá deixar a participação na construção de centrais elétricas a carvão, para se concentrar na produção de outros tipos de energia, menos poluentes e mais rentáveis.

A decisão poderia envolver a transformação ou o fechamento de unidades, afetando empregos, advertiu o grupo, destacando que continuará brindando seus serviços às centrais elétricas a carvão existentes.

A empresa deseja se concentrar em turbinas a gás para centrais térmicas ou turbinas a vapor para centrais nucleares, bem como em energias renováveis. “À medida que a GE continua se transformando, estamos focando em negócios de geração de energia que oferecem um modelo comercial atraente e perspectivas de crescimento”, assinalou Russell Stokes, diretor da divisão de energia da gigante industrial.

Apesar do apoio demonstrado pelo presidente Donald Trump ao carvão, esta forma de energia é cada vez menos competitiva frente a alternativas como gás e energia eólica. O consumo de carvão nos Estados Unidos se encontra no menor nível em 40 anos, segundo a Agência Americana de Informação Energética, e o fechamento de minas cresce.

A iniciativa da GE foi bem recebida pela Associação Americana de Proteção do Meio Ambiente (NRDC, sigla em inglês). “As comunidades e os ativistas vinham pedindo há anos à GE que abandonasse o carvão”, tuitou a organização. “Este é um passo importante e muito aguardado na direção da proteção do meio ambiente e da saúde das populações.”

Este artigo está disponível em: English

Related posts
MundoSociedade

Pânico em postos de gasolina dos EUA após reativação parcial de rede de oleodutos

ChinaPolítica

Washington, Londres e Berlim pedem fim da repressão dos uigures, Pequim denuncia um "truque"

ChinaPolítica

EUA podem sancionar China por trabalho forçado em tecnologia ambiental

MundoPolítica

Rússia e EUA contrapõem na ONU suas visões sobre multilateralismo

Assine nossa Newsletter