EUA condenam e pedem investigação ao ataque ao “Canal de Moçambique” - Plataforma Media

EUA condenam e pedem investigação ao ataque ao “Canal de Moçambique”

A embaixada dos Estados Unidos da América “condena veementemente um alegado ataque incendiário na sede do Canal de Moçambique, um importante jornal independente em Moçambique”, pode ler-se num comunicado divulgado ontem

Recorde-se que a redação do “Canal de Moçambique” foi incendiada, no passado domingo, no que o seu editor-executivo, Matias Guente, descreveu como um “ato terrorista”.

“Instamos as autoridades moçambicanas relevantes a conduzir uma investigação exaustiva para assegurar que os responsáveis pelo fogo posto sejam levados à justiça”, afirma ainda a embaixada, que acrescenta que “os danos aparentemente intencionais e extensivos nos escritórios de uma respeitada instituição de meios de comunicação social têm impacto no estado da liberdade de expressão e da liberdade de imprensa em Moçambique”.

Foram já várias as entidades moçambicanas e internacionais que condenaram publicamente o ataque à redação do “Canal de Moçambique”, relembrando que este ameaça a democracia e a liberdade de expressão

“Os órgãos de comunicação social independentes, como o “Canal de Moçambique” e o “Canal Moz”, desempenham um papel crucial para a democracia no país”, defendeu União Europeia, através da sua delegação em Maputo.

Para o Comité para a Proteção de Jornalistas (CPJ), com sede em Nova Iorque, o incêndio representa a degradação das condições para a prática de jornalismo em Moçambique. “O ataque é o mais recente capítulo de um ambiente cada vez pior para a imprensa independente em Moçambique e uma ofensiva flagrante à democracia e ao direito do público de ser informado,” referiu Angela Quintal, coordenadora do programa do CPJ para a África.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
ChinaPolítica

EUA classificam China como maior ameaça à liberdade desde a II Guerra Mundial

MundoPolítica

Aliados de Trump pedem bloqueio da certificação dos resultados na Pensilvânia

ChinaMundo

EUA adotam restrições para vistos de membros do Partido Comunista Chinês

ChinaEconomia

EUA aprovam legislação que pode excluir firmas chinesas do seu mercado de capitais

Assine nossa Newsletter