Caso IPIM: Tribunal confirma mensagens como provas legais -

Caso IPIM: Tribunal confirma mensagens como provas legais

A juíza que está a julgar o caso das fixações de residência no Instituto de Promoção do Comércio e Investimento de Macau (IPIM) confirmou esta tarde que as mensagens usadas como prova pela acusação são “legais” e “admissíveis”, e podem ser usadas em relação a todos os arguidos – mesmo os que respondem por crimes menos graves.

A questão foi levantada pela defesa. Pedro Leal, advogado de Glória Batalha, diz que, no caso da antiga vogal do IPIM, a lei impede que as mensagens sejam usados como prova uma vez que os crimes de que a arguida está acusada têm uma moldura penal abaixo do previsto para a autorização de escutas.

Glória Batalha responder por violação de segredo e abuso de poder. Nos dois crimes, a pena máxima prevista é de três anos de prisão. De acordo com o Código de Processo Penal (CPP), a “intercepção ou gravação de conversações pode ser ordenada ou autorizada” para prova quanto a crimes com pena máxima superior a três anos. “Esta norma é taxativa”, frisou Leal.

Leia mais em TDM

Artigos relacionados
PortugalSociedade

Ministério Público pede exibição do conteúdo dos discos rígidos de Rui Pinto

PortugalSociedade

Julgamento do hacker Rui Pinto: "Nunca recebi dinheiro pelo que fiz"

DesportoPortugal

“Hacker” Rui Pinto inicia hoje uma “longa” batalha

AngolaSociedade

Caso 500 milhões: Zenu dos Santos conhece sentença sexta-feira

Assine nossa Newsletter